Política

Roberto Jefferson teria exigido presença do ministro da Justiça para se entregar à PF

O ex-deputado resistiu à ordem de prisão e atacou agentes com granadas e tiros de fuzil

O ex-deputado federal Roberto Jefferson. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O ex-deputado federal Roberto Jefferson teria exigido a presença do ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Correr, para se entregar à Polícia Federal. A informação é da GloboNews.

Em manifestação pelo Twitter, logo após as primeiras notícias sobre o fato, o presidente Jair Bolsonaro (PL), aliado de Jefferson, determinou a ida do ministro ao local para acompanhar a operação. 

“Determinei a ida do Ministro da Justiça ao Rio de Janeiro para acompanhar o andamento deste lamentável episódio”, publicou o ex-capitão. 

Segundo informações da PF, Jefferson teria disparado contra os agentes de dentro da sua casa com um fuzil e lançado 3 granadas. Dois policiais ficaram feridos sem gravidade. 

Agentes do Batalhão de Operações Especiais foram mobilizados para tentar uma rendição. 

A revogação da prisão domiciliar do ex-deputado federal foi determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, depois que Jefferson divulgou um vídeo insultando de forma sexista a ministra Cármen Lúcia. 

O ex-presidente do PTB estava proibido de utilizar as redes sociais devido à medida cautelar que permitiu sua prisão domiciliar por questões de saúde. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo