Política

Rio lança projeto que autoriza internação forçada de dependentes

Prefeitura de Eduardo Paes anunciou plano de atendimento para a população em situação de rua; MPF e DPU apontam possível inconstitucionalidade do texto

Moradores de rua deitados em frente à uma antiga agência bancária na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, centro do Rio de Janeiro-RJ - Foto: Andréa Farias/Flickr
Apoie Siga-nos no

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), lançou novo plano para atendimento à população em situação de rua que prevê a internação compulsória de dependentes químicos. O projeto e suas diretrizes foram publicados no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro nesta sexta-feira 22. 

A medida polêmica, no entanto, somente será autorizada mediante critérios médicos, como em casos de intoxicação grave, risco de suicídio, síndrome consumptiva e qualquer outro motivo que coloque em risco a vida. 

O decreto afirma que o encaminhamento da pessoa à unidade de saúde deverá ser realizado independentemente se o indivíduo se encontrar ou não em situação de rua. 

O plano prevê que o primeiro atendimento a casos graves de intoxicação deverá ser feito pelos Bombeiros ou pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. 

O projeto ainda delimita que, após o tratamento toxicológico e a alta médica, a pessoa será direcionada a uma unidade de acolhimento. 

A medida faz parte do programa Seguir em Frente, que prevê atender 7800 pessoas em situação de rua na capital fluminense. 

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a internação compulsória deverá durar em média 72 horas. Durante o período, o usuário será acompanhado pelos serviços de atendimento da prefeitura. 

A possibilidade de internação compulsória se dependentes químicos já havia sido levantada por Eduardo Paes em novembro. À época, a questão causou polêmica e chegou a suscitar manifestações de que ela seria inconstitucional. 

Tanto o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) são contrários à política de internação compulsória. 

Em novembro, o Ministério Público Federal e a Defensoria Pública da União enviaram uma nota técnica ao prefeito do Rio de Janeiro contra a medida pretendida em face dos usuários de drogas. 

No documento, o MPF e a DPU destacam que a internação compulsória, ou seja, realizada contra a vontade do paciente, é inconstitucional, traduz uma medida higienista e atenta contra a dignidade do ser humano.

MPF e DPU também ressaltam que a saúde é um direito social, não uma obrigação imposta aos cidadãos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo