Renan Calheiros e Jorginho Mello trocam xingamentos na CPI da Covid

Os dois trocaram xingamentos chamando um ao outro de 'vagabundo' e 'ladrão'

O relator da CPI da pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL). Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O relator da CPI da pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL). Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Política

O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), trocou xingamentos com o senador Jorginho Mello (PL-SC), aliado do presidente Jair Bolsonaro, durante a reunião do colegiado na manhã de hoje.

 

 

A audiência ocorre para ouvir o depoimento do empresário Danilo Trento, diretor da Precisa Medicamentos, que intermediou uma negociação para compra da Covaxin pelo Ministério da Saúde. O contrato é investigado pela CPI, que suspeita de um esquema de corrupção no governo.

Renan Calheiros afirmou que as suspeitas envolvendo o contrato demonstrariam escolhas erradas do presidente Jair Bolsonaro. O senador chamou o governo de “corrupto”, provocando reação do senador bolsonarista.

“Não foi o presidente que escolheu. Foi os picaretas que tentaram vender”, disse Jorginho a Renan. “O senhor não pode falar isso do presidente. Vossa Excelência não tem envergadura para isso”, declarou o senador aliado de Bolsonaro.

Em seguida, o relator da CPI pediu que o colega não o interrompesse para defender Bolsonaro e o empresário Luciano Hang, também alvo da investigação. “Vai lavar a boca para falar do Luciano, um empresário decente”, disse Jorginho. “Vai lavar a tua, vagabundo”, rebateu Renan. Em seguida, os dois trocaram xingamentos chamando um ao outro de “vagabundo” e “ladrão”. Os dois senadores precisaram ser contidos por colegas após se aproximarem durante a discussão.

Luciano Hang foi convocado para depor na CPI na próxima semana. O empresário cogita uma candidatura ao Senado por Santa Catarina ou mesmo a vice-governador em uma chapa encabeçada por Jorginho Mello. O presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), pediu calma aos dois senadores após o depoimento de Danilo Trento ser interrompido.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem