Política

“Quem quer que fale em AI-5 está sonhando”, diz Jair Bolsonaro

Bolsonaro se isentou de tecer comentários sobre a fala do filho: ‘Cobrem vocês dele’, disse a jornalistas

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)
(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro comentou, na tarde desta quinta-feira 31, sobre a fala de seu filho e deputado Eduardo Bolsonaro sobre um “novo AI-5” no País. “Quem quer que seja que fale em AI5 está sonhando. Está sonhando. Está sonhando. Não quero nem ver notícia nesse sentido aí”, declarou.

O presidente também se isentou de defender ou atacar o filho sobre explicações. “Cobrem vocês dele. Ele é independente. Se ele falou isso, não estou sabendo, lamento.”, disse.

Eduardo Bolsonaro concedeu uma entrevista à jornalista Leda Nagle, divulgada nesta quinta-feira 31, e declarou que um novo AI-5 “poderia ser instaurado em caso de radicalização da esquerda no País”.

 

Depois, Eduardo chegou a relembrar o voto de seu pai no impeachment de Dilma Rouseff quando Jair ainda era deputado federal: ele exaltou Carlos Alberto Ustra, torturador condenado pelo Estado brasileiro.

O Ato Institucional Número 5 (AI-5) foi o quinto e o mais duro dos 17 grandes decretos emitidos pela ditadura nos anos que se seguiram ao golpe de estado de 1964 no Brasil.

Ele foi assinado pelo presidente Artur da Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968. Isso resultou na perda de mandatos de parlamentares contrários aos militares, intervenções ordenadas pelo presidente nos municípios e estados e também na suspensão de quaisquer garantias constitucionais que eventualmente resultaram na institucionalização da tortura, comumente usada como instrumento pelo Estado.

Giovanna Galvani

Giovanna Galvani É repórter do site de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.