Política

Quem é Ana Priscila Azevedo, presa como organizadora dos atos terroristas em Brasília

A mulher foi presa na tarde da terça-feira 10, pela Polícia Federal em Luziânia e conduzida à capital federal

Créditos: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal prendeu na tarde da terça-feira 10 , Ana Priscila Azevedo, apontada como uma das organizadoras dos atos terroristas em Brasília.

A prisão da mulher, determinada pelo Supremo Tribunal Federal, ocorreu em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal. Ela foi, posteriormente, conduzida à capital federal.

No dia dos ataques aos prédios dos Três Poderes, Ana apareceu ao lado de outros radicais comemorando a depredação dos locais. Em um vídeo que circula nas redes sociais, ela aparece enrolada em uma bandeira do Brasil. Ao fundo, uma pessoa fala em ‘vitória’ e exalta o nome da mulher.

Há um outro registro em que Ana Priscila aparece sorrindo e comemorando a ação, mesmo com a suposta chegada das equipes de segurança, ao fundo.

Em uma live realizada no dia 5 de janeiro, no acampamento bolsonarista montado no entorno do Quartel General do Exército, em Brasília, a mulher também aparece antecipando o que viria a acontecer no domingo, em Brasília. “Nós vamos colapsar o sistema, nós vamos sitiar Brasília, nós vamos tomar o poder de assalto, o poder que nos pertence”, disse, na ocasião.

A mulher também é ligada a grupos extremistas no Telegram. Em um deles, criado em dezembro, convocou os quase 30 mil membros a irem para Brasília. No dia 6 de janeiro, ela cita “caravanas vindas de todo o Brasil” e diz que “a Babilônia vai cair”.

Foi ventilada a hipótese de que a extremista seria funcionária do Banco Bradesco, o que foi negado pela instituição. Na segunda-feira 9, o banco informou que não localizou nenhum registro em seus arquivos com o seu nome como funcionária .

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo