Política

Quaest: Haddad é líder em São Paulo e venceria todos no segundo turno

França aparece em segundo lugar, com 18%, seguido por Tarcísio de Freitas, que tem apenas 9%; Boulos é o quarto colocado com 7%

Apoie Siga-nos no

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) lidera a corrida eleitoral para o governo do estado, segundo a mais nova pesquisa da consultoria Quaest, divulgada nesta quinta-feira 17.

levantamento, o petista soma 24% das intenções de voto contra 18% de Márcio França (PSB) e apenas 9% de Tarcísio de Freitas (PL), ministro da Infraestrutura e aposta de Jair Bolsonaro no maior colégio eleitoral do Brasil.

O levantamento traz ainda Guilherme Boulos (PSOL) em quarto lugar, com 7%. O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), assim como França, pleiteia apoio das esquerdas na disputa regional e negocia a integração na campanha de Lula no cenário nacional.

Em um cenário sem Boulos e França, Haddad sobe para 30% das intenções de voto. Neste caso, o segundo lugar ficaria com Tarcísio, chegando a 11%. O resultado do bolsonarista também estaria condicionado à desistência de Abraham Weintraub (PMB).

Já o indicado de João Doria (PSDB), Rodrigo Garcia, está bem distante dos primeiros colocados e empata com a recém chegada na disputa, Renata Abreu (Podemos). Ambos têm 3% das indicações de voto. No cenário com menos candidatos, a deputada teria 7% e Garcia 5%.

Garcia é vice-governador e irá comandar o estado a partir de abril após o afastamento de Doria para a disputa nacional. Já Renata é a aposta de Sergio Moro e do Podemos para substituir Arthur do Val, o Mamãe Falei, que retirou a candidatura após ter divulgado áudios machistas sobre refugiadas ucranianas. O político pode perder o mandato na Assembleia Legislativa do estado.

A pesquisa também mostrou que o ex-ministro Abraham Weintraub (PMB), que desafiou a orientação de Bolsonaro e disputa o apoio de alas da direita, está com apenas 1% das intenções de voto. O extremista empata com Felicio Ramuth (PSD) e está atrás de Vinicius Poit (Novo), que tem 2%.

Segundo turno

Além do melhor desempenho no primeiro turno, Haddad também tem os melhores resultados no segundo turno. De acordo com a Quaest, se as eleições fossem hoje, o petista venceria qualquer adversário.

Na disputa com Garcia, o ex-prefeito teria 41% contra 21% do tucano. Já contra Tarcísio, Haddad somaria 42% ante 27% do ministro. Com França, Haddad venceria por 38% a 33%.

Outros dois cenários sem Haddad foram monitorados. No primeiro, França venceria Garcia por 44% a 15%. Já no segundo, Tarcísio ganharia do tucano por 29% a 18%.

Ao todo, foram ouvidos 1.640 eleitores de SP entre os dias 11 e 14 de março. A pesquisa tem margem de erro de 2 pontos percentuais e nível de confiança de 95%.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.