Protesto contra Bolsonaro reúne milhares em SP

Manifestações também foram realizadas em outras capitais do País

Protesto também se espalhou por outras capitais do Brasil, como em Belo Horizonte (foto) Crédito: Douglas Magno/AFP

Protesto também se espalhou por outras capitais do Brasil, como em Belo Horizonte (foto) Crédito: Douglas Magno/AFP

Política

As manifestações contra o governo do presidente Jair Bolsonaro começaram na capital paulista por volta das 16 horas deste sábado, 29. Pancadas de chuva atrapalharam os preparativos para o ato na Avenida Paulista. Centenas de manifestantes romperam as barreiras que impediam o acesso ao vão do Masp e se abrigaram lá dentro enquanto chovia.

Apesar do incentivo ao distanciamento social e ao uso de máscaras, houve muita aglomeração e, por causa da chuvas, os equipamentos de proteção ficaram encharcados.

Manifestantes ligados a movimentos sociais como a União Nacional dos Estudantes e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ajudaram na distribuição de máscaras PFF2 e pediam o uso do equipamento durante todo o ato. “Este ato não vai ser como os deles”, diziam voluntários que distribuíam máscaras, em referência a manifestações recentes pró-governo, com aglomerações e em que máscaras não eram incentivadas nem usadas por todos.

Os protestos deste sábado são uma resposta às manifestações de apoiadores do presidente, como a “motocada” que aconteceu no último domingo, 23, no Rio de Janeiro. Apesar de abandonarem a defesa do “fique em casa”, os grupos defendem que é possível ir às ruas de maneira segura, com o uso de máscaras e distanciamento social. Os motivos para a mudança de tom, segundo líderes dos movimentos, são tanto a manutenção de índices elevados de contaminação e mortes devido à pandemia, quanto a crise socioeconômica e o comportamento de Bolsonaro, que tem participado de sucessivos atos.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem