Procurador pede que Bolsonaro seja investigado por “fantasma”

Caso envolve contratação da filha de Fabrício Queiroz. Lotada em gabinete em Brasília, a moça atuava como personal trainer no Rio

Procurador pede que Bolsonaro seja investigado por “fantasma”

Política

O Ministério Público do Distrito Federal encaminhou à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, denúncias contra Jair Bolsonaro por suspeita de contratar funcionários fantasmas enquanto era deputado. O caso envolve Natália Queiroz, filha de Fabrício Queiroz, o assessor de Flávio Bolsonaro que e suspeito de atuar como “laranja” do senador.

Lotada no gabinete de Jair Bolsonaro em Brasília entre dezembro de 2016 e outubro 2018, a jovem dava expediente de personal trainer – em horário comercial – no Rio de Janeiro. O deputado atestou presença a dela em período integral, por 40 horas semanais.

Caso entenda que os indícios são fortes, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pode abrir investigações por peculato (desvio de dinheiro público) e improbidade administrativa.

Na peça, o procurador Carlos Henrique Martins Lima cita outro caso envolvendo uma servidora de Bolsonaro que tramita na PGR – Walderice da Conceição, a Wal, exonerada após uma reportagem da Folha de S.Paulo mostrar que ela dava expediente em uma banca de açaí. Martins sugere que os dois casos sejam apurados em conjunto.

A ação pode tramitar na esfera cível, já que a Constituição impede que o presidente em exercício seja penalizado por atos anteriores à posse. Nesse caso, a PGR entende que ele pode ser investigado, mas não acusado formalmente no Supremo.

Leia também: Aviso a Bolsonaro: "Está tratando com profissionais, não com laranjal"

“Assim, embora a sua condição de mandatário não impeça a investigação ou mesmo a sua responsabilização por improbidade administrativa, no caso em tela, recomendável o encaminhamento da presente notícia à Procuradoria-Geral da República”, argumenta o procurador na decisão.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem