Políticos e personalidades saem em defesa de Glenn Greenwald

O editor do The Intercept foi agredido pelo jornalista Augusto Nunes com um tapa na cara durante o programa Pânico, da Jovem Pan

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Política

Personalidades e políticos saíram em defesa do jornalista Glenn Greenwald após ele sofrer agressões físicas do jornalista Augusto Nunes, no programa Pânico desta quinta-feira 7, na rádio Jovem Pan.

Nomes como Elza Soares, Patrícia Pillar, Flávio Dino, Ciro Gomes, Marcelo Freixo, entre outros, se posicionaram em suas redes sociais apoiando o jornalista e editor do site The Intercept Brasil. “Mais um vexame internacional com um jornalista de extrema direita perpetrando agressões físicas em um debate. Coisa de covarde mesmo”, disse Dino.

O clima esquentou entre os jornalistas quando Glenn perguntou a Augusto Nunes se um juiz deveria investigar sua família – Glenn é casado com o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ). O casal tem dois filhos.

O editor do The Intercept se referia a uma fala de Nunes sobre os filhos do casal, em que ele sugeria ao Juizado de Menores uma investigação sobre as condições dos dois filhos de Glenn Greenwald e de David Miranda. “Quem é que cuida das crianças que eles adotaram?”, disse Nunes. Glenn classificou a atitude como uma das mais “sujas que ele já viu na vida”.

Na sequência, Nunes respondeu dizendo que Glenn não entende ironia e que reafirmava sua posição sobre as crianças ficarem sozinhas enquanto os pais trabalham muito. Glenn chamou Augusto Nunes de covarde e o jornalista do R7 respondeu com um tapa na cara. Os dois começaram a se agredir e o apresentador Emílio Surita tirou o programa do ar por mais de 10 minutos.

Confira a repercussão:

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem