Política

‘Pintou um clima’: Randolfe defende proteção da PF e do MPF a meninas venezuelanas

O senador mencionou um encontro das adolescentes com a primeira-dama Michelle Bolsonaro nesta segunda-feira 17

Jair Bolsonaro em entrevista ao podcast Paparazzo RubroNegro. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) decidiu acionar o Supremo Tribunal Federal e a Comissão de Direitos Humanos do Senado para impedir “qualquer espécie de aproximação” entre agentes públicos e as meninas venezuelanas com as quais interagiu o presidente Jair Bolsonaro (PL) durante um passeio de moto no Distrito Federal.

O parlamentar pediu que a comissão solicite à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal a proteção às adolescentes. Ele disse ter tomado conhecimento de que, no domingo 16, lideranças políticas aliadas de Bolsonaro tentaram “fechar o cerco” sobre as meninas.

“Não se descarta, inclusive, a utilização de nefastas ameaças para que ‘confessassem’ o que o presidente queria ouvir, inclusive com o envolvimento do Gabinete de Segurança Institucional”, afirmou Randolfe em ofício enviado à comissão do Senado.

Ele também mencionou um encontro das meninas com a primeira-dama Michelle Bolsonaro nesta segunda-feira 17.  Segundo a jornalista Malu Gaspar, do jornal O Globo, a senadora eleita Damares Alves (Republicanos-DF), ex-ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, acompanhou Michelle em uma reunião com as líderes comunitárias do projeto social que atende as refugiadas venezuelanas nos arredores de Brasília.

Na avaliação de Randolfe, Bolsonaro tenta “contornar o caso, que, repise-se, ele mesmo criou a partir de uma confissão em um nefasto cenário em que queria criar fato político favorável a si –, possivelmente por meio de coação dos personagens envolvidos a declarações públicas daquilo que lhe interessa ouvir”.

O episódio dominou as redes sociais nos últimos dias, a partir de uma entrevista concedida pelo presidente a um podcast na sexta-feira 14.

“Eu estava em Brasília, na comunidade de São Sebastião, se eu não me engano, em um sábado, de moto […] Parei a moto em uma esquina, tirei o capacete, e olhei umas menininhas… Três, quatro, bonitas, de 14, 15 anos, arrumadinhas, num sábado, em uma comunidade, e vi que eram meio parecidas. Pintou um clima, voltei. ‘Posso entrar na sua casa?’ Entrei. Tinha umas 15, 20 meninas, sábado de manhã, se arrumando, todas venezuelanas. E eu pergunto: meninas bonitinhas de 14, 15 anos, se arrumando no sábado para quê? Ganhar a vida”, afirmou Bolsonaro na ocasião.

Na madrugada do último domingo 16, Bolsonaro promoveu uma live nas redes sociais para se defender. Ele alegou que as declarações sobre o encontro com as meninas venezuelanas foram deturpadas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo