Política

PGR pede condenação e perda do mandato da senadora Gleisi Hoffmann

Procuradoria pede também a condenação do o ex-ministro Paulo Bernardo e do empresário Ernesto Rodrigues

Apoie Siga-nos no

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condenação da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), do marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo, e do empresário Ernesto Rodrigues.

O parecer da PGR sugere que o STF condene Gleisi a perda do mandato de senadora e que os três paguem 4 milhões de reais a título de danos materiais e morais, por lesão à administração pública.

Os três são réus no STF pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O Ministério Público afirma que eles se envolveram em um esquema que teria desviado 1 milhão de reais da Petrobras.

Leia também:
PF diz que Gleisi e Paulo Bernardo cometeram crime de corrupção passiva
A íntegra da denúncia por organização criminosa contra a cúpula do PT

De acordo com as alegações finais da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro foram “devidamente comprovados” na instrução da ação penal que apura suposto pagamento de propina para a campanha de Gleisi ao Senado em 2010 em esquema envolvendo a Petrobras.

“Portanto, conforme já pleiteado na peça acusatória, levando-se em consideração o montante aceito e recebido pelos denunciados, a dignidade do cargo que ocupam, o reflexo do ato espúrio no âmbito interno e internacional, a envergadura dos atores das condutas espúrias, a procuradora-geral da República requer, como já solicitado no bojo da peça acusatória, que os denunciados sejam condenados à indenização por danos”, diz a procuradora nas alegações finais

O parecer da PGR, assinado pela procuradora-geral, Raquel Dodge, foi enviado ao ministro Edson Fachin nesta quinta-feira 23, mas a informação só foi divulgada na tarde desta sexta-feira 24.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo