Política

Perfis de Rodrigo Constantino, Guilherme Fiúza e Paulo Figueiredo Filho são suspensos

As contas dos bolsonaristas aparecem retidas ’em cumprimento a uma demanda judicial’; a investigação está em segredo de Justiça

Reprodução/Jovem Pan
Apoie Siga-nos no

YouTube, Twitter, Facebook, Telegram e Instagram suspenderam as contas dos comentaristas bolsonaristas Rodrigo Constantino, Guilherme Fiúza e Paulo Figueiredo Filho nas redes sociais.

Segundo a CNN Brasil, a decisão – ainda sob sigilo – partiu do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e os três são investigados por divulgação de discurso de ódio e antidemocrático.

O cumprimento da determinação de Moraes aconteceu na noite da terça-feira 3. Os perfis dos bolsonaristas nas plataformas não podem mais ser acessados.

Em 30 de dezembro, o Twitter já havia suspendido as contas de Constantino e Figueiredo. Outras plataformas, como YouTube, Instagram, Telegram e Facebook, também derrubaram os perfis.

Comentaristas da Jovem Pan, ambos ficaram conhecido por disseminar informações falsas sobre a Covid-19, defender o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e endossar ataques contra o Tribunal Superior Eleitoral e o sistema eletrônico de votação.

Antes de ser demitido da emissora por descumprir uma determinação do TSE, Fiúza também esteve no centro da ofensiva à Corte.

Procurados, YouTube, Instagram, Facebook e Telegram ainda não se manifestaram. A reportagem também tentou contato com a defesa dos bolsonaristas, mas não obteve retorno. O espaço permanece à disposição.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo