Política

Juscelino Filho presta depoimento à PF e critica delegado após oitiva ser interrompida: ‘repete a Lava Jato’

Ministro é suspeito de integrar uma organização criminosa que desviou emendas parlamentares

Brasília (DF), 03/04/2024, - O ministro das Comunicações, Juscelino Filho, durante entrevista ao programa Bom Dia, Ministro, onde apresenta os detalhes sobre a TV 3.0 – chamada de “TV do futuro” –, tecnologia que promete experiências imersivas para o telespectador com uma nova geração de aparelhos que trazem mais qualidade de imagem e acesso facilitado à conectividade. A transmissão do novo padrão começa no próximo ano e é uma promessa de revolução no modo de se assistir televisão no Brasil— ao integrar totalmente o sinal aberto com a internet. Com a mudança, não haverá mais canais, mas apenas aplicativos nos aparelhos. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União), prestou um curto depoimento à Polícia Federal nesta sexta-feira 17, em Brasília. A oitiva aconteceu no bojo da Operação Odoacro, que mira um suposto esquema de desvio de emendas parlamentares enviadas pelo ministro para a pavimentação de ruas em Vitorino Freire, no Maranhão.

Ele chegou a responder alguns questionamentos dos investigadores sobre sua movimentação financeira e a relação com a cidade maranhaense. O depoimento, entretanto, foi encerrado após o ministro afirmar que, por orientação dos seus advogados, só responderia a perguntas relacionadas ao objeto investigado no Supremo Tribunal Federal.

Ao final da audiência, que durou 15 minutos, Juscelino criticou o delegado do caso e afirmou considerar que o método de interrogatório repete aquele utilizado na Operação Lava Jato. “Como sabemos, [o método] resultou em consequências danosas a pessoas inocentes”, acrescentou, em nota à imprensa.

Isso porque, segundo ele, os investigadores teriam apresentado questionamentos relacionados a casos que não tem conexção com o inquérito em questão. “[As perguntas] sequer foram fornecidas a meus advogados, evidenciando que o propósito da investigação é devassar a minha vida e encontrar algo contra mim a qualquer custo”, pontuou Juscelino.

Na oitiva, o auxiliar de Lula (PT) pediu a palavra para dizer que as emendas indicadas por ele foram repassadas dentro da legalidade e beneficiaram 11 povoados de Vitorino Freire. Além disso, afirmou estar à disposição das autoridades e disse ter se tornado alvo da investigação “após ser nomeado ministro”.

Juscelino Filho é suspeito de integrar uma organização criminosa que desviou recursos destinados a obras da Codesvasf em Vitorino Freire. A cidade é comandada por Luanna Rezende, irmã do ministro – ela chegou a ser afastada no cargo por ordem do ministro Luís Roberto Barroso, mas voltou ao mandato alguns meses depois.

O inquérito foi aberto em janeiro de 2023, após o nome do ministro aparecer em uma investigação sobre irregularidades em obras bancadas com emendas do deputado federal Josimar Maranhãozinho (PL-MA).

Na sequência, o caso foi encaminhado ao STF, uma vez que Juscelino conta com foro por prerrogativa de função na Corte. Em setembro, a PF realizou a Operação Benesse, um desdobramento da Odoacro, com buscas em endereços da prefeita de Vitorino Freire. Os investigadores pediram buscas contra o ministro, mas a demanda foi negada.

O depoimento de Juscelino Filho estava previsto para 10 de maio, mas foi adiado. Desde o início das investigações, ele nega qualquer irregularidade nas destinação de emendas parlamentares e diz ser vítima de uma “acusação injusta”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo