Política

Os deputados do PL que não votaram pela urgência de projeto para barrar decreto de Lula sobre armas

A matéria precisava de pelo menos 257 votos para prosperar, mas obteve 254

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

A Câmara dos Deputados rejeitou, no fim da noite da última quarta-feira 6, o regime de urgência de um Projeto de Decreto Legislativo impulsionado pela chamada Bancada da Bala para derrubar um decreto do presidente Lula (PT) que limitava a compra e o registro de armas de fogo.

O requerimento de urgência precisava de pelo menos 257 votos para prosperar, mas obteve 254. Houve 156 votos contrários e cinco abstenções, com 416 deputados no plenário. A votação ocorreu mesmo com o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), em viagem internacional.

De autoria do deputado Sanderson (PL-RS), o PDL mobiliza especialmente a bancada do PL, partido do ex-presidente Jair Bolsonaro. No entanto, dois deputados da sigla votaram contra a urgência, dois se abstiveram e seis não estavam presentes.

Abstiveram-se na votação os deputados Eli Borges (PL-TO) e Henrique Junior (PL-MA). Votaram contra a urgência Antonio Carlos Rodrigues (PL-SP) e João Carlos Bacelar (PL-BA).

Já os deputados Capitão Augusto (PL-SP), Fernando Rodolfo (PL-PE), Samuel Viana (PL-MG), Silvio Antonio (PL-MA), Tiririca (PL-SP) e Wellington Roberto (PL-PB) sequer participaram da votação.

Expoentes da tropa de choque da extrema-direita, como o deputado Nikolas Ferreira (PL-MG), criticaram publicamente a conduta da bancada. “Inacreditável a falta de comprometimento de alguns deputados”, escreveu o bolsonarista nas redes sociais.

Entre outros pontos, o decreto questionado, editado por Lula em 1º de janeiro, suspendia registros para aquisição de armas e munições de uso restrito por caçadores, colecionadores, atiradores e particulares; suspendia a concessão de novos registros de clubes e de escolas de tiro; e interrompia a concessão de novos registros de CACs.

O decreto 11.366, porém, já havia sido revogado após a edição do decreto 11.615, de 21 de julho.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.