Mundo

Os bastidores burocráticos da nota do PT em defesa da ‘vitória’ na Nicarágua

O texto classifica o pleito como ‘grande manifestação popular e democrática’. Gleisi Hoffmann desautorizou a publicação

Daniel Ortega ao lado da mulher, a vice-presidente vice-presidenta Rosario Murillo Cesar PEREZ PRESIDENCIA NICARAGUA/AFP
Daniel Ortega ao lado da mulher, a vice-presidente vice-presidenta Rosario Murillo Cesar PEREZ PRESIDENCIA NICARAGUA/AFP
Apoie Siga-nos no

A nota do PT em defesa das eleições de fachada na Nicarágua teve péssima repercussão na imprensa e nas redes sociais.

O texto, publicado na segunda 8, saúda em nome do partido a vitória de Daniel Ortega como uma “grande manifestação popular e democrática”. O líder sandinista teve 75% dos votos, em um contexto de prisão de opositores e banimento de rivais eleitorais.

Quem assina a nota é Romênio Pereira, atual secretário de Relações Internacionais do partido. Pereira, junto da ex-secretária Monica Valente, são ativos no Foro de São Paulo, organização que, ao contrário do que prega Olavo de Carvalho, é mais um convescote do que uma grande conspiração pela a glória do comunismo na América Latina.

Parte da razão desses encontros é, justamente, o apoio mútuo entre seus participantes. Daí o interesse, avaliam alguns insiders do partido, em manifestar apoio público a aliados da organização.

As secretarias do PT tem acesso direto a uma seção do partido, onde publicam notas e comunicados sem passar por nenhum crivo. Não é primeira vez, aliás, que conteúdo publicado ali provoca reações indignadas e sapeca o capital político do partido.

Hoje, a presidenta Gleisi Hoffmann desautorizou a publicação. Segundo ela, o texto não foi submetido à direção do PT. Na tarde de terça-feira, quando este texto foi ao ar, a publicação não constava mais no site do PT. Nesta quarta, porém, voltou a estar disponível.

Herói sandinista da sangrenta guerra civil da Nicarágua na década de 80, Daniel Ortega se reinventou como um católico devoto e pró-mercado. Em 2018, uma reforma fracassada da previdência provocou protestos pedindo sua renúncia e mergulhou o país na pior crise política dos últimos quarenta anos.

Desde junho deste ano, as autoridades nicaraguenses baniram três partidos e prenderam 39 ativistas sociais, políticos, empresários e jornalistas – além dos 120 opositores presos desde os protestos de 2018.

Thais Reis Oliveira

Thais Reis Oliveira
Editora-executiva do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.