Política

Negociação de joias por aliados começou próximo ao fim do mandato de Bolsonaro

Primeiro registro de venda de bens recebidos pelo Estado brasileiro ocorreu em 2022

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O esquema de vendas de presentes recebidos pelo Estado brasileiro durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teria começado em junho de 2022 e continuou mesmo com o término do mandato do ex-capitão, conforme relatório da Polícia Federal. 

Ainda que os conjuntos de joias recebidos durante visita oficial à Arábia Saudita tenham sido trazidos ao País em 2019, foi somente próximo ao fim do mandato de Bolsonaro que se iniciou ao plano de reaver os itens apreendidos pela Receita Federal, no aeroporto de Guarulhos. 

Esse kit era composto por um anel, abotoaduras, um rosário islâmico e um relógio da marca Rolex. 

O relógio teria sido o mesmo que o ex-ajudante de ordens Mauro Cid teria vendido nos Estados Unidos em junho de 2022. As mensagens relativas à negociação foram divulgadas pela PF. 

Outros itens recebidos durante a gestão Bolsonaro também foram negociados no estado da Pensilvânia, como um segundo relógio, da marca Patek Philippe, recebido do governo do Bahrein, e outros itens de ouro branco recebidos com o Rolex. 

Em dezembro, Cid tira uma foto dos itens de ouro branco recebidos da Arábia Saudita. A foto foi registrada na casa do militar. 

Segundo às investigações, o relógio e os demais itens teriam sido recomprados pelo advogado da família Bolsonaro, Frederick Wassef.

A investigação aponta que no dia 14 de março deste ano, o advogado voltou ao Brasil com o relógio e entregou a Mauro Cid. O item foi reinserido no acervo da União. 

O plano do grupo era reaver os itens vendidos para que fossem apresentados ao Tribunal de Contas da União após revelado o esquema, como forma de se eximir dos crimes praticados. 

Outros dois itens, uma árvore e um navio com partes em ouro, também entraram no rol de bens à venda, no entanto, não tiveram as negociações concluídas por não serem feitos inteiramente de ouro. 

Outro kit de ouro rosé recebido por Bolsonaro foi colocado à venda em um site de leilão dos Estados Unidos em fevereiro de 2023, mas não foi comprado. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo