Política

‘Não estou preocupado se ele pagará as multas’, diz ex-ministro do TSE que mandou Pix de R$ 5 mil a Bolsonaro

O ex-capitão recebeu 17 milhões de reais via Pix, mas não quitou uma dívida que se aproxima de 1 milhão em São Paulo

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Silvio Avila/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral Admar Gonzaga afirmou não se preocupar com o fato de o ex-presidente Jair Bolsonaro não ter pago multas aplicadas pelo estado de São Paulo, mesmo após receber 17,2 milhões de reais em transações via Pix neste ano.

Gonzaga, que trabalha atualmente como advogado, doou 5 mil reais ao ex-capitão por meio do sistema de pagamentos instantâneos.

Segundo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, a movimentação “atípica” na conta de Bolsonaro pode ter relação com uma campanha de doações organizada em junho por apoiadores. À época, aliados disseram nas redes sociais que o dinheiro seria usado para pagar multas.

Bolsonaro, porém, ainda não quitou uma dívida que se aproxima de 1 milhão de reais em multas aplicadas pelo estado de São Paulo por descumprir normas sanitárias durante a pandemia.

“Eu não estou preocupado se ele vai pagar a multa, se não vai pagar a multa”, disse Gonzaga em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo. “O que eu vi foi uma pessoa ter todos os seus recursos bloqueados. De uma hora para a outra, ele não tinha mais nada na conta.”

O Coaf apontou que o ex-presidente aportou 17 milhões de reais em investimentos de renda fixa, montante equivalente aos recursos que embolsou via Pix no primeiro semestre. Gonzaga, porém, diz não se importar.

“Todo dinheiro tem que ter remuneração. Dinheiro parado num País que está com inflação galopante e com todas essas incertezas que estão aí atormentando as pessoas, eu acho que ele fez muito bem de investir, de buscar remunerar esse dinheiro”, prosseguiu. “Eu acho até uma atitude responsável.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo