Política

‘Mulheres sofrem as piores consequências da guerra’, diz Janja em jornal francês

A primeira-dama defendeu a participação feminina na solução dos conflitos internacionais

A primeira-dama Janja Lula da Silva. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

A primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, afirmou que “as mulheres sofrem as piores consequências” em situações de guerra, em um artigo divulgado pelo jornal francês Le Monde, nesta segunda-feira 31.

No texto, a esposa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mencionou a sua visita ao Memorial da Paz, na viagem a Hiroshima, no Japão, em maio, e defendeu a participação de mulheres na solução de conflitos.

“São os homens que decidem ir para a guerra, e são as mulheres que sofrem as piores consequências”, disse Janja, que é socióloga. “É impossível, portanto, nessas condições, imaginar poder superar as guerras e construir a paz sem a participação efetiva das mulheres.”

Janja escreveu que a defesa da paz “não é apenas um dever moral” e afirmou ver o ato como uma obrigação política em compromisso com a equidade. Ela também apontou os efeitos da guerra sobre a população em vulnerabilidade e disse que as mulheres ficam mais expostas à violência contra os seus corpos nos grandes conflitos.

“A guerra é um instrumento de perpetuação das desigualdades econômicas, sociais, raciais e de gênero”, escreveu.

O artigo é publicado no momento em que Lula tenta articular uma cúpula de países que façam a mediação da guerra na Ucrânia, com o objetivo de cessar o conflito armado, iniciado com a invasão russa em 2022.

O presidente já disse publicamente que nem o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, nem o homólogo russo, Vladimir Putin, querem a paz. O petista acusa ainda os Estados Unidos e a Europa de prolongarem o confronto com o fornecimento de armas à Ucrânia.

No âmbito do G7, no Japão, Lula chegou a combinar um encontro com Zelensky, mas o presidente ucraniano não compareceu, sem avisar que se ausentaria. Agora, a Ucrânia diz esperar um convite do Brasil para uma nova oportunidade. 

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo