Morre o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, aos 41 anos

Ele lutava contra um câncer no sistema digestivo desde 2019. A prefeitura está sob o comando do vice, Ricardo Nunes (MDB)

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Foto: Governo do estado de São Paulo

O prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Foto: Governo do estado de São Paulo

Política

Morreu neste domingo 16, aos 41 anos, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), vítima de complicações de um câncer no sistema digestivo. Afastado da prefeitura, ele estava internado no Hospital Sírio Libanês desde o dia 2 de maio para dar continuidade ao tratamento.

 

“O Prefeito de São Paulo Bruno Covas faleceu hoje às 08:20 em decorrência de um câncer da transição esôfago gástrica, com metástase ao diagnóstico, e suas complicações após longo período de tratamento. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês desde o dia 2 de maio, sob os cuidados das equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Prof. Dr. Raul Cutait e Prof. Dr. Roberto Kalil”, diz a nota divulgada pelo hospital.

Na segunda-feira 10, Covas deu início a uma nova etapa do tratamento, que combinaria imunoterapia, feita com medicamento que reforça o sistema imunológico do paciente, e terapia-alvo, um tratamento mais recente, feito com outro tipo de medicamento, que identifica uma proteína existente em células cancerígenas e faz com que ela ‘ataque’ essas células.

Na ocasião, Covas recebeu uma visita do governador de São Paulo, João Doria, conforme registro compartilhado pelo PSDB nas redes sociais.

 

 

Em 9 de maio, Dia das Mães, Covas fez uma publicação em suas redes sociais em que aparece sorrindo, com a legenda: “Continuo a lutar aqui no Hospital. Sem baixar a cabeça e sem perder minha motivação. Muita Força, Foco e Fé. E espero logo estar junto de vocês para agradecer por todo carinho. Feliz Dia das Mães e Bom Domingo!”

 

 

Neste mês, Covas chegou a ser transferido para a UTI do hospital e intubado após ter um sangramento entre o esôfago e o estômago, mas obteve alta e foi levado a um leito de terapia semi-intensiva no dia 4 de maio.

Pouco antes, no dia 2 de maio, Covas anunciou um afastamento de 30 dias da prefeitura. Assumiu o vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB).

 

 

Covas recebeu o diagnóstico de câncer em outubro de 2019, quando também foram constatadas uma metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos. Ao longo do tratamento, o prefeito passou por algumas internações.

Em abril deste ano, quando a equipe médica descobriu focos do câncer no fígado e nos ossos de Bruno Covas, ele passou 12 dias hospitalizado e chegou a ter alta no dia 27. Os médicos identificaram acúmulo de líquido no espaço entre o pulmão e a pleura, dentro da caixa torácica.

O atendimento médico de Covas foi coordenado pelos médicos David Uip, Roberto Kalil Filho, Artur Katz, Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e João Luiz Fernandes da Silva (radioterapia).

 

A trajetória de Covas

Natural de Santos, no litoral paulista, Bruno Covas se mudou para São Paulo ainda no Ensino Médio para morar com o avô, o então governador Mário Covas (1995-2001), no Palácio dos Bandeirantes. Ele também faleceu de câncer em 2001.

Filiado ao PSDB, partido fundado pelo avô, Covas iniciou a vida política 2006, quando foi eleito para a Assembleia Legislativa de São Paulo, cargo para o qual foi reeleito em 2010.

Covas se licenciou do cargo de deputado estadual no ano seguinte para atuar como secretário do Meio Ambiente de São Paulo, na gestão do então governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Em 2014, foi eleito deputado federal, mas já havia demonstrado interesse pelo Executivo. Chegou a se inscrever para prévias tucanas em 2012, mas desistiu depois da entrada na disputa do ex-governador José Serra, que perderia aquela eleição para Fernando Haddad (PT) no segundo turno. Dois anos depois, voltou a se colocar como pré-candidato a prefeito da capital, mas retirou seu nome posteriomente.

Ele também renunciou ao mandato de deputado federal (2015-2019) para assumir o posto de vice-prefeito de São Paulo em janeiro de 2017. Em abril de 2018, com a saída do cargo do então prefeito João Doria para disputar a eleição ao governo do estado, Covas assumiu a prefeitura da capital.

Ele foi reeleito ao cargo no pleito de 2020, derrotando Guilherme Boulos (PSOL) no segundo turno.

Divorciado, Covas deixa o filho, Tomas Covas, de 15 anos.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem