CartaExpressa

Após sangramento no estômago, Covas vai para a UTI em SP

O tucano está internado no hospital Sírio-Libanês, no centro da capital paulista

Prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB). Foto: Patrícia Cruz/PSDB.
Apoie Siga-nos no

O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), foi transferido nesta segunda-feira 3 para uma unidade de terapia intensiva do hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, após a detecção de um sangramento no estômago.

Assim, as sessões de quimioterapia e imunoterapia que estavam marcadas para esta segunda foram suspensas. O sangramento foi identificado durante uma endoscopia e já foi contido.

De acordo com nota divulgada pela prefeitura, Covas está “submetendo-se a intubação oro-traqueal e recebendo as medidas adequadas de suporte clínico. Ele está sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho”.

No domingo 2, Covas foi internado para dar continuidade ao tratamento contra um câncer no sistema digestivo. Por isso, decidiu pedir licença da prefeitura paulistana por trinta dias.

“Nesses últimos meses, a vida tem me apresentado enormes desafios. Tenho procurado enfrentá-los com fé, cabeça erguida e com muita determinação. (…) Nesse momento, com muita força e foco que preciso colocar na minha saúde, fica incompatível o exercício responsável de minhas funções como Prefeito de São Paulo, por isso, vou solicitar à Câmara de Vereadores uma licença do cargo pelo período de 30 dias, para me dedicar integralmente à minha recuperação”, disse Covas em comunicado.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.