Justiça

‘Moro tem as mãos sujas de sangue na pandemia’, diz coordenador do Prerrogativas

O advogado reagiu aos ataques do ex-juiz, que acusou o coletivo de trabalhar ‘pela impunidade de corruptos’

Marco Aurélio de Carvalho e Sergio Moro. Fotos: Divulgação/Prerrogativas e Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

O advogado Marco Aurélio de Carvalho, coordenador do Grupo Prerrogativas, reagiu nesta sexta-feira 14 aos ataques do ex-juiz e pré-candidato à Presidência pelo Podemos, Sergio Moro.

A CartaCapital, Carvalho declarou que Moro deveria “prestar contas dos crimes que cometeu à frente da Lava Jato“, além de ter envergonhado “a toga e a magistratura e comprometido a credibilidade do nosso sistema de Justiça”.

“Ele não só desonrou a toga. Quando ele passou a servir, na condição de ministro da Justiça, ao presidente que ajudou a eleger, ele sujou as mãos de sangue. E tem responsabilidade direta em cada uma das 630 mil mortes que o Brasil chora hoje por causa das ações e omissões criminosas desse governo no combate à pandemia”, acrescentou o advogado, que reforçou o convite a Moro para um debate, embora duvide de que o ex-juiz tenha “coragem e espírito público” para aceitar.

Pelas redes sociais, Moro rejeitou participar do debate.

“Vejo que o clube dos advogados pela impunidade quer debater. Desculpem, mas este é um clube do qual não quero participar. Mas debato com o chefe de vocês, o Lula, a qualquer hora, sobre o mensalão e o petrolão”, escreveu o ex-juiz.

Em entrevista à Veja publicada nesta sexta, Moro acusa o Prerrogativas de trabalhar “pela impunidade de corruptos”. Segundo o ex-magistrado, declarado suspeito pelo Supremo Tribunal Federal em processos contra o ex-presidente Lula (PT), “esses mesmos advogados se arvoram de alguma espécie de ética, de alguma espécie de superioridade moral em relação ao Ministério Público e em relação aos juízes que participaram desses casos, mas, no fundo, a vergonha está neles”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo