Política

Moraes: Ato na USP reforça o orgulho da democracia e do sistema eleitoral

O magistrado, um dos alvos preferenciais do presidente Jair Bolsonaro (PL), estará à frente da Justiça Eleitoral durante o pleito de outubro

Fotos: Rosinei Coutinho/STF e Miguel Schincariol/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, exaltou o ato desta quinta-feira 11 na Faculdade de Direito da USP em defesa da democracia e do processo eleitoral.

Moraes, um dos alvos preferenciais do presidente Jair Bolsonaro (PL), estará à frente da Justiça Eleitoral durante o pleito de outubro.

Nesta quinta, um ato na faculdade marcou a leitura de uma carta assinada por quase 1 milhão de pessoas. O texto sai em defesa do Estado Democrático de Direito e do respeito às eleições, ante as ameaças golpistas do ex-capitão.

“No histórico dia 11/8, a Faculdade de Direito da USP foi palco de importantes atos em defesa do Estado de Direito e das Instituições, reforçando o orgulho na solidez e fortaleza da Democracia e em nosso sistema eleitoral, alicerces essenciais para o desenvolvimento do Brasil”, escreveu Moraes nas redes sociais.

O manifesto foi lido após uma série de discursos, realizados no salão nobre da faculdade, em que juristas, representantes de movimentos civis, sindicalistas e empresários reafirmaram a confiança no sistema eleitoral, a defesa da democracia e a oposição aos ataques contra as instituições.

O ato nas dependências formais da USP terminou com a leitura de outra carta, produzida pela Federação Nacional das Indústrias, com teor semelhante ao do documento principal do evento.

Já nas arcadas e no Largo de São Francisco, fora do palco, a cerimônia ganhou tons mais eleitorais. Entre os manifestantes circulavam faixas e bandeiras com alusões a Lula (PT) e críticas a Bolsonaro. No palco, o tom mais protocolar manteve-se na participação de Celso Campilongo, diretor da Faculdade de Direito, que não citou nominalmente o presidente, mas rebateu a ação das Forças Armadas e os ataques ao TSE.

“[O Estado Democrático de Direito prevê] O controle pelas instituições daqueles que têm competência para fazer. No caso das eleições, é o nosso Tribunal Superior Eleitoral. O resto é gente sem competência jurídica e moral para se intrometer no processo eleitoral brasileiro”, disse Campilongo. “A única força que pode dizer algo a respeito do processo eleitoral brasileiro é a força do eleitor, do brasileiro e de ninguém mais.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo