Justiça

Moraes abre inquérito sobre diretores de Google e Telegram por campanha contra o PL das Fake News

A instauração de uma investigação formal acolhe um pedido apresentado pela Procuradoria-Geral da República ao STF

Alexandre de Moraes arca agora com seu indispensável papel - Imagem: Marcelo Camargo/ABR
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes determinou, nesta sexta-feira 12, a abertura de um inquérito a mirar diretores e responsáveis do Google e do Telegram por campanha abusiva contra o PL das Fake News.

A instauração de uma investigação formal acolhe um pedido apresentado pela Procuradoria-Geral da República ao STF.

Moraes encaminhou os autos à Polícia Federal e estabeleceu o prazo de 60 dias para a apuração. A corporação deverá preservar todas as publicações mencionadas na notícia-crime e tomar o depoimento dos responsáveis pelas big techs.

Na última quarta 10, o Telegram deletou uma mensagem enviada em massa a seus usuários com distorções sobre o PL das Fake News, ao qual a empresa se opõe frontalmente. A exclusão da campanha ocorreu por ordem de Moraes, que ameaçou suspender o aplicativo em todo o território nacional por 72 horas.

No início de maio, o Google foi obrigado pelo governo a sinalizar como publicidade um material que criticava o PL.

A PGR defendeu a abertura do inquérito depois de o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), protocolar uma notícia-crime a sustentar que Google e Telegram têm realizado “contundente e abusiva” ação contra o projeto.

“O cenário fático narrado aponta para a existência de elementos de informações mínimos da prática de conduta delituosa que fundamentam a possibilidade de instauração de procedimento de investigação sob a supervisão do Supremo Tribunal Federal”, concluiu a Procuradoria.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo