Justiça

Monocraticamente, um julgamento não pode ser levado a plenário, diz Toffoli

Declaração do ministro e ex-presidente da Corte toca em um dos pontos-chave do Caso Lula

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli. Foto: Nelson Jr./STF
Apoie Siga-nos no

Em conversa com uma comitiva de juristas e advogados, o ministro do Supremo Tribunal Federal Dias Toffoli externou seu entendimento em relação à remessa de decisões ao plenário da casa : “Um caso só pode ser remetido à plenário se a própria turma de origem decidir”.

Mesmo não tratando do caso Lula (“sequer representamos sua defesa, ele possui advogados constituídos”, pontua o advogado Marco Aurélio de Carvalho), a declaração do ministro e ex-presidente da Corte toca em um dos pontos-chave da nova situação legal do ex-presidente depois que o ministro Edson Fachin, em decisão monocrática, anulou quatro processos contra ele. Isso porque no dia 15, o próprio Fachin pediu para que os recursos fossem incluídos na pauta do Supremo.

 

“Meu entendimento é que um caso, após ser iniciado na turma, só deve ser remetido para plenário se a própria turma decidir. (…) É um entendimento público e que, por coerência, vou manter”, disse Toffoli ao grupo.

Nos bastidores, aliados do ex-presidente defendem que a decisão fique na Segunda Turma, onde corre o caso de Lula. De acordo com advogados ouvidos por CartaCapital, caso o HC da Competência vá para plenário e a maioria dos ministros tenha a mesma visão de Toffoli, por exemplo, o caso voltará para a Segunda Turma. A previsão é o caso seja analisado na próxima semana.

A conversa, que durou aproximadamente uma hora e meia na noite desta segunda-feira 22, foi classificada como “muito positiva” pelo grupo Prerrogativas. Esse é o terceiro encontro com ministros: no dia 16 foi com Luís Roberto Barroso e dia 17 com o presidente da Corte Luiz Fux.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo