Política

Michelle e Eduardo teriam incentivado Bolsonaro a dar golpe, diz Cid em delação

Ex-presidente, segundo relato de Cid, acreditava que havia chance de constatarem fraude nas urnas eletrônicas

Michelle e Bolsonaro Foto: Sergio Lima / AFP
Apoie Siga-nos no

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), teria afirmado em delação premiada que Michelle e Eduardo Bolsonaro (PL), esposa e filho do ex-capitão, respectivamente, aconselhavam o então presidente a dar um golpe de Estado e não aceitar a derrota nas eleições. A informação é do site UOL desta sexta-feira 10. 

Segundo o ex-auxiliar de Bolsonaro, a primeira-dama e o deputado federal faziam parte de um grupo mais radical de pessoas que aconselhavam o ex-presidente no Planalto. 

Eles costumavam induzir Bolsonaro a acreditar que, caso desse um golpe, teria apoio da população e do Colecionadores, Atiradores Desportivos e Caçadores (CACs). 

De acordo com o site, com base em confirmações com três fontes que acompanham a delação de Cid, o tenente-coronel ainda afirmou que Bolsonaro não queria desmobilizar seus apoiadores acampados na frente dos quartéis do Exército, por acreditar que ainda havia chances de se constatar indícios de fraude eleitoral, ocasionando uma anulação do resultado do pleito. 

Bolsonaro ainda teria pressionado os militares para elaborarem um relatório apontando essas suspeitas de fraudes. Esse relatório foi divulgado no início de novembro pelo Ministério da Defesa, mas não apontava nenhum indício concreto de irregularidades nas urnas.

Mauro Cid reafirmou à Polícia Federal que nunca foi encontrada nenhuma prova de fraude nas urnas eletrônicas. 

O plano de golpe só não foi adiante, conforme o relato do tenente-coronel, porque não houve concordância dos comandantes militares. Esse trecho, já havia sido revelado. Naquela ocasião, segundo Cid, apenas o almirante Almir Garnier, da Marinha, teria topado participar de uma ruptura.

Ao UOL, os três citados sustentam que a delação de Cid carece de provas e negam qualquer uma das alegações feitas pelo militar.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo