Política

‘Me banir das redes sociais é jogar fora das quatro linhas’, diz Bolsonaro ao alegar que não mente na internet

‘O jogo tem que ser realizado dentro das quatro linhas. Só posso dizer isso’, afirmou o ex-capitão em entrevista à Jovem Pan

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta segunda-feira 10, sem fornecer detalhes, que um eventual banimento de suas contas nas redes sociais em 2022 significaria “jogar fora das quatro linhas” da Constituição.

Bolsonaro se dirigiu à jornalista Miriam Leitão, que defendeu na GloboNews uma punição a ele nas redes sociais pelas mentiras disseminadas contra a vacinação de crianças. Segundo Leitão, “está na hora de as redes de comunicação, como Facebook e Twitter, começarem a tirar Bolsonaro dessa conexão, porque ele é um divulgador de mentiras sobre a saúde, ele coloca em perigo a saúde da população brasileira”.

“Me banir das redes sociais é jogar fora das quatro linhas. O jogo tem que ser realizado dentro das quatro linhas. Só posso dizer isso. A gente não pode admitir o jogo baixo dessa natureza. Aí não é uma disputa eleitoral dentro do critério democrático, é uma imposição”, reagiu em entrevista à Jovem Pan.

“Qual é a acusação contra mim? Que fake news tenho praticado nas minhas mídias? Não existe. Quando acontece equívoco, a gente se retrata. Coisa que não acontece com a Globo nem com essa comentarista econômica, Miriam Leitão”, completou o ex-capitão.

Apesar do que alegou à Jovem Pan, Bolsonaro não hesita em propagar notícias falsas sobre a vacinação. Em 6 de janeiro, durante entrevista à TV Nova Nordeste, afirmou que “lamentavelmente” a Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou a imunização de crianças de 5 a 11 anos e omitiu dados de mortes por Covid-19 nessa faixa etária.

“Você vai vacinar teu filho? Contra algo que o jovem por si só, uma vez pegando o vírus, a possibilidade de ele morrer é quase zero? O que está por trás disso? Qual é o interesse da Anvisa por trás disso aí? Qual é o interesse daquelas pessoas taradas por vacina? É pela sua vida, pela sua saúde? Se fosse, estariam preocupadas com outras doenças no Brasil”, acrescentou.

Um levantamento do site Poder360 divulgado no fim de dezembro mostra que a Covid-19 foi uma das principais causas de mortes na faixa etária de 5 a 11 anos. Dados até 29 de novembro indicam que 558 crianças desse grupo morreram por causa da doença no Brasil.

As insinuações de Bolsonaro, desprovidas de evidências, foram alvo de uma carta do presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres – texto considerado “agressivo” pelo ex-capitão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo