Marcos Pontes diz ter pensado em deixar o governo após corte de R$ 600 milhões em pasta

Ministro da Ciência e Tecnologia afirma que ficou muito chateado e que foi pego de surpresa com a medida

O Ministro Marcos Pontes. Foto: Leonardo Marques/ASCOM/MCTI

O Ministro Marcos Pontes. Foto: Leonardo Marques/ASCOM/MCTI

Política

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, afirmou nesta sexta-feira 8, ter sido surpreendido com a aprovação do projeto de lei que retira cerca de 600 milhões de reais de recursos da pasta para destinar a outras áreas. 

“Ontem foi um dia bastante tenso. Eu estava tentando entender o que estava acontecendo. Vamos enviar mensagens oficiais para a Economia e para a Junta de Orçamento para que exista reposição imediata desse recurso”, disse ele em entrevista após a 1ª Feira Brasileira do Nióbio, que teve a participação do presidente Jair Bolsonaro, em Campinas (SP).

O astronauta ainda disse que confia em Bolsonaro para ajudá-lo a reverter o cenário, apesar de ter ficado chateado com o corte e pensado em deixar o cargo. 

“Temos dias bons e dias ruins, ontem eu estava muito, muito chateado. Se você me perguntasse ontem, eu diria que sim [que pensou sobre o assunto]. Mas hoje, vendo tudo isso aqui, vendo aqueles jovens recebendo aquelas medalhas [sobre a uma cerimônia que aconteceu mais cedo durante a feira], eu penso ‘tenho que continuar para ajudar a levar isso para frente’. Eu me sentiria muito mal em sair e deixar todo esse pessoal na mão”, disse Pontes. 

E completou: “Quando você lidera uma esquadrilha, tem de ir até o final. Vai ter dia bom, vai ter dia ruim, vai ter dia que você vai voar em céu de brigadeiro com a esquadrilha e dia com antiaéreo. Tem que aguentar pelo bem da ciência”, disse. 

Neste domingo o ministro usou suas redes sociais para falar sobre o assunto. Ele caracterizou o corte como “falta de consideração”, já que o orçamento da pasta é reduzido.

O astronauta também criticou a falta de debates com a comunidade científica.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem