Política

Mandamos para o STF alguém ‘terrivelmente evangélico’, celebra Bolsonaro com militares

Nas redes sociais, o presidente já havia comemorado a aprovação do ‘terrivelmente evangélico’

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a celebrar a aprovação do nome de André Mendonça, seu ex-ministro, para o Supremo Tribunal Federal.

Na manhã desta quinta-feira , durante um evento de formatura de sargentos no Rio de Janeiro, o ex-capitão disse que Mendonça será alguém com ‘Deus no coração’ na Suprema Corte.

“Hoje pra mim, pra todos nós cristãos, é um dia bastante feliz. No dia de ontem conseguimos enviar para o Supremo Tribunal Federal um homem terrivelmente evangélico. Um compromisso nosso de mandar para a Suprema Corte uma pessoa que tem Deus no coração”, celebrou o presidente.

A menção ao novo ministro do Supremo foi aplaudida pelos militares presentes.

Ontem, o presidente já havia comemorado a aprovação do ‘terrivelmente evangélico’, e desejou sorte ao apadrinhado em uma postagem nas redes sociais.

Depois de aprovado com o placar de 47 votos favoráveis e 32 votos contrários, Mendonça reforçou seu compromisso com os evangélicos, dando os primeiros sinais de que o aceno ao Estado laico foi apenas um discurso.

“É um passo para um homem, mas na história dos evangélicos do Brasil é um salto. Um passo para um homem, um salto para os evangélicos”, disse ao reafirmar que será um representante desta parcela da população brasileira. Segundo o Censo de 2010, 42,3 milhões de brasileiros (cerca de 22% da populaçã0), se identificam como evangélicos.

No discurso, Bolsonaro repetiu velhas declarações prontas e não citou a queda do PIB divulgada nesta quinta-feira.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!