Lula sobre Amazônia: “Quem taca fogo são os milicianos do Bolsonaro”

Preso em Curitiba desde abril de 2018, ex-presidente da República concedeu entrevista exclusiva para CartaCapital na quarta-feira 4

Ex-presidente Lula, em entrevista a CartaCapital. (Foto: Ricardo Stuckert)

Ex-presidente Lula, em entrevista a CartaCapital. (Foto: Ricardo Stuckert)

Política

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que as queimadas da Amazônia são provocadas por “milicianos” do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O petista fez a afirmação em entrevista a CartaCapital, cedida na quarta-feira 4, na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba, no estado do Paraná, onde está preso desde 7 de abril de 2018.

Lula chamou os causadores das queimadas de “picaretas do agronegócio” e afirmou que “empresários sérios jamais fariam isso”.

“Eu fico pensando que a Amazônia está queimando porque os picaretas do agronegócio estão queimando. Porque o empresário sério do agronegócio sabe que tem prejuízo com isso e sabe que tem que cuidar do produto que ele quer exportar para poder ter valor lá fora. Então, o empresário sério não é favorável para tocar fogo. Quem está tacando fogo são os milicianos do [senador Fernando] Collor… do Bolsonaro. São os milicianos do Bolsonaro”, acusou o ex-presidente.

Na sequência, ele afirmou que as queimadas na floresta começam pelos madeireiros.

“Começa com madeireiro, depois começa tacando fogo para queimar, depois vem o capim, depois vem o gado. Ou seja, esses são os que estão tacando fogo. Não são as pessoas sérias desse país. Eu conheço empresários sérios desse país que jamais fariam isso, porque sabem que isso vai prejudicar”, disse.

Lula está preso por corrupção e lavagem de dinheiro, no processo que envolve o triplex do Guarujá. O ex-presidente foi condenado, pela primeira vez, em junho de 2016 pela Operação Lava Jato. Ele cumpre pena de 8 anos e 10 meses.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem