Política

Lula e Janja marcam mudança para o Palácio da Alvorada

Assim que Lula voltar da Argentina, já deve voltar para o Alvorada, disse o ministro da Casa Civil, Rui Costa

O presidente Lula (PT) e a esposa Janja, durante cerimônia de posse. Foto: Ricardo Stuckert
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a primeira-dama, Rosângela Silva, a Janja, planejam se mudar para do Palácio da Alvorada quando retornarem da Argentina, sua primeira viagem internacional. A ideia é que o casal saia do hotel onde estão hospedados em Brasília e tenha um novo endereço a partir do dia 25 de janeiro.

“Assim que ele voltar da Argentina ele já deve voltar para o Alvorada”, disse o ministro da Casa Civil, Rui Costa, em entrevista ao Globo.

Lula e Janja visitaram o Alvorada pela primeira vez em 3 de janeiro, quando avaliaram as condições do local.

De acordo com a primeira-dama, havia infiltrações, janelas quebradas, danos em tapetes e sofás rasgados. Em 4 de janeiro, Costa visitou a residência oficial.

Ao Globo, o ministro afirmou ter ficado “assustado” com o estado de conservação palácio que, na descrição dele, mais “parecia um bunker”.

“Ao visitar a casa do presidente, fiquei assustado, porque parecia que não era uma residência presidencial. A sensação era de que parecia um bunker, várias salas com uma bateria de computadores, onde parece que trabalhavam várias pessoas. O ambiente todo estava arrumado não como uma residência do presidente da República, mas sim como se fosse um local de trabalho de combate”, disse Costa.

Nas redes sociais, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro rebateu as acusações de descuidado com o Alvorada.

“Durante o mandato do meu marido, preservamos o Palácio da Alvorada respeitando a estrutura que é patrimônio tombado e também o dinheiro do povo brasileiro”, escreveu ela.

Segundo Michelle, as infiltrações são decorrentes das chuvas recentes em Brasília.

“O conserto demanda um tratamento especial na manta que está sobre a laje”, justificou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo