Justiça

Lira aciona a Polícia Legislativa após Felipe Neto chamá-lo de ‘excrementíssimo’

O youtuber criticou a reação do presidente da Câmara e afirmou ser vítima de silenciamento

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

A Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados instaurou uma investigação contra o influenciador Felipe Neto após ele se referir ao presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), como “exrementíssimo”.

O procedimento surgiu a partir de um pedido de Lira.

“Considerando que os fatos acima relatados podem configurar a prática de crimes contra a honra, ocorridos nas dependências da Câmara dos Deputados, determino a adoção das providências cabíveis, no que tange à competência dessa Polícia Legislativa”, diz um trecho da solicitação.

Em publicação no X (ex-Twitter), Felipe Neto reagiu à investigação. “Já sofri tentativas de silenciamento com o uso da polícia antes, inclusive pela família Bolsonaro”, escreveu. “Continuarei enfrentando toda essa turma enquanto me sobrarem forças. E eu nunca falei que os enfrentaria com flores, nem assim o fiz e nunca o farei.”

O caso ocorreu na última terça-feira 23, durante uma audiência na Câmara. Na ocasião, o youtuber criticou o engavetamento do Projeto de Lei 2630/2020, conhecido como PL das Fake News.

“É preciso que a gente fale mais, se comunique mais, fale mais com o povo, convide mais o povo para participar”, defendeu Neto. “É preciso, fundamentalmente, que a gente altere a percepção em relação ao que é um Projeto de Lei como o 2.630, que foi infelizmente triturado pelo excrementíssimo Arthur Lira.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo