Política

Letalidade policial chega ao menor nível em SP desde 2005 após a instalação de câmeras corporais

Somente entre janeiro e junho, houve uma redução de 41,1% em relação ao ano anterior

Polícia Militar
Apoie Siga-nos no

As mortes causadas pelas polícias Civil e Militar em São Paulo chegaram ao menor índice para o primeiro semestre desde 2005. Entre janeiro e junho, foram contabilizadas 202 vítimas, uma redução de 41,1% em relação ao total do ano anterior. Os dados são do jornal O Estado de S. Paulo. 

O ano de 2020 foi um dos mais letais no estado. Ao todo, foram 514 mortes decorrentes de operações policiais ou que envolviam agentes de segurança de folga. 

A diminuição de ocorrências, de acordo com especialistas, resulta da implementação de câmeras corporais nas fardas dos policiais. O programa, chamado Olho Vivo, foi instituído pelo então governador João Doria (PSDB) e, desde o começo de 2021, já funciona em 58 batalhões do estado, com 8,1 mil aparelhos de gravação acoplados a uniformes de agentes selecionados. Até o fim do mês de agosto o total de câmeras instaladas deve chegar a mais de 10 mil. 

O programa começou a ser pensado após a operação desastrosa em Paraisópolis, que resultou na morte de nove pessoas em 2019. 

Além das câmeras, também houve a troca de armas de fogo por equipamentos não letais. Atualmente, as polícias paulistas contam com 7,5 mil armas de incapacitação neuromuscular. 

Novos protocolos para a segurança pública também foram adotados, como a criação da Comissão de Mitigação de Não Conformidades, que analisa todas as ocorrências de mortes em operações policiais. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo