Política

Justiça manda YouTube preservar vídeos da Jovem Pan, alvo de inquérito do MPF por fake news

Segundo magistrada, ‘é possível reconhecer a probabilidade do perigo de dano’

Foto: Divulgação/Jovem Pan
Apoie Siga-nos no

A Justiça de São Paulo determinou, nesta segunda-feira 23, que o YouTube mantenha na íntegra 2.309 vídeos publicados por canais do Grupo Jovem Pan. A decisão, assinada pela juíza Flavia Poyares Miranda, da 28ª Vara Cível, ocorreu no âmbito de um pedido apresentado pelo movimento Sleeping Giants Brasil.

A solicitação menciona o fato de que a Procuradoria da República em São Paulo abriu, em 9 de janeiro, um inquérito para investigar a Jovem Pan pela prática de disseminação de fake news e incitação a atos golpistas. A peça do Sleeping Giants sustenta que a emissora teria deletado ou ocultado diversos vídeos após o início da investigação.

Segundo a magistrada, a tutela de urgência “merece ser deferida”, uma vez que “é possível reconhecer a probabilidade do direito e o perigo de dano”.

“A parte requerida é plataforma de compartilhamento de vídeos da internet e, portanto, responsável pela guarda dos registros.”

A decisão estabelece uma multa de 5 mil reais por dia ao Google, empresa detentora do YouTube, em caso de descumprimento da decisão.

Ao instaurar o inquérito, o MPF já defendia que a Jovem Pan fosse proibida de promover qualquer alteração nos canais, como excluir vídeos ou tornar a visualização restrita. O órgão pediu ao YouTube que preserve a íntegra de todos os vídeos publicados pelo grupo desde janeiro de 2022.

Os procuradores querem saber se a emissora “violou direitos fundamentais da população e incorreu em abusos à liberdade de radiodifusão”. Caso os crimes sejam comprovados, a Jovem Pan pode ser condenada a multas e indenizações por dano moral coletivo e até perder a concessão.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo