Política

Jorginho Mello nomeia o próprio filho como secretário da Casa Civil de SC

Filipe Mello já chefiou outras duas secretarias no estado em gestões anteriores

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O governador de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL), anunciou a nomeação de seu próprio filho, Filipe Mello, como secretário da Casa Civil do estado.

A indicação do filho foi formalizada nesta quarta-feira 3 e ocorre após a saída de Estener Soratto (PL) do cargo. Ela deixou a pasta para reassumir o mandato de deputada na Assembleia Legislativa.

Nepotismo?

Apesar da proibição da nomeação de parentes pelo Supremo Tribunal Federal, o caso envolvendo Jorginho Mello e seu filho não se caracteriza como nepotismo.

Isso porque a súmula vinculante da Corte, que uniformiza o entendimento a ser aplicado por todas as instâncias do Judiciário, não tem efeito sobre as nomeações para cargos políticos, como é o caso da Secretaria da Casa Civil.

Esse não será o primeiro cargo de Filipe Mello na administração pública. Entre 2011 e 2012, ele foi secretário do Planejamento de SC e, em 2013, assumiu a Secretaria de Estado ide Turismo, Cultura e Esporte.

Outras trocas

Além do filho, o governador Jorginho Mello ainda anunciou outras quatro trocas no primeiro escalão do governo catarinense. São elas:

  • Secretaria de Estado da Segurança Pública: Deputado Sargento Lima (PL) no lugar do ex-promotor Paulo Cezar Ramos de Oliveira;
  • Secretaria de Estado da Comunicação: João Paulo Gomes Vieira no lugar de João Evaristo Debiasi;
  • Secretaria de Estado da Administração: Vânio Boing no lugar de Moisés Diersmann;
  • Secretário de Estado da Proteção e Defesa Civil: Coronel Fabiano de Souza no lugar do ex-deputado federal coronel Luiz Armando (PL).

Há, ainda, novas gestões no Instituto de Previdência de Santa Catarina, na estatal SC Parcerias S/A, no Centro de Informática e Inovação e no Corpo de Bombeiros.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo