Política

Janja vai à Justiça contra a Jovem Pan e cobra indenização por danos morais

O processo se baseia em uma declaração de Pietra Bertolazzi em um programa transmitido em 27 de setembro no ano passado

Foto: Reprodução/Jovem Pan
Apoie Siga-nos no

A primeira-dama Janja da Silva processou a influenciadora Pietra Bertolazzi, comentarista da Jovem Pan, e pede indenização de 50 mil reais por danos morais. A emissora também é alvo da ação.

A peça se baseia em uma declaração de Bertolazzi durante um programa transmitido pela JP em 27 de setembro no ano passado. Na ocasião, afirmou que Janja faria uso de drogas ilícitas e estaria cercada de “maconhistas”.

O documento ressalta que o canal da emissora no YouTube conta com mais de 7 milhões de inscritos e que a publicação do programa alcançou 27 mil visualizações e 2,1 mil curtidas. A gravação foi compartilhada por diversos veículos, o que amplia os danos causados à reputação da primeira-dama, argumenta a ação.

“No caso em tela, é possível verificar, sem grandes esforços, que as Rés utilizaram indevidamente a rede social YouTube para intentar contra a honra e a reputação da Autora, o que configura ato ilícito”, diz a defesa de Janja.

Os advogados pedem uma indenização de no mínimo 50 mil reais, “em atenção ao caráter punitivo e pedagógico dessa indenização – sobretudo para que as Rés não voltem a intentar contra os direitos da personalidade da Autora, evitando assim problemas no futuro e, com isso, mais ações e condenações”.

Cobram, ainda, que Bertolazzi e a Jovem Pan sejam condenadas a se retratar publicamente nas redes sociais, além de excluir o vídeo em que as declarações foram registradas.

O processo tramita na 1ª Vara Cível de São Paulo. A ação foi recebida na última segunda-feira 23, dia em que o juiz Cassio Pereira Brisola abriu um prazo de 15 dias para as defesas da influenciadora e da emissora se manifestarem.

Leia a transcrição da declaração que virou alvo do processo:

“Enquanto você tem ali a Janja abraçando o Pabllo Vittar e fumando maconha, fazendo sei lá o quê, você tem uma mulher impecável representando a direita, os valores, a bondade, a beleza… que estão relativizadas, sim, quando você vê a Janja fazendo a farofa que ela vai, porque ela faz farofa. Esse evento do Lula que teve, você vê ali Daniela Mercury, Martelli… um monte de artista maconhista ali, que não sabe para onde vai, da onde vem, com uma ânsia enorme por brilho fácil e por dinheiro fácil também, né, todos abraçando a Janja, porque é esse tipo de valor que ela demonstra. Muito ao contrário da Michelle.”

CartaCapital procurou a Jovem Pan, mas ainda não obteve resposta. O espaço segue aberto para manifestação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo