Política

Indígena bolsonarista preso no DF pede perdão a Lula e Moraes e diz ter errado ao atacar urnas

Em carta, Serere Xavante declarou não defender ‘ruptura democrática’ nem acreditar em violência como ‘método de ação política’

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O indígena bolsonarista José Acácio Serere Xavante, preso em dezembro por participação em atos golpistas promovidos após a vitória de Lula (PT), divulgou uma carta nesta quinta-feira 5 na qual pede desculpas e afirma ter errado ao defender, sem qualquer evidência, a hipótese de fraude no processo eleitoral.

A ordem de prisão partiu do ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes. Segundo a Corte, a decisão se baseou na necessidade de garantia da ordem pública, diante de indícios da prática dos crimes de ameaça, perseguição e abolição violenta do Estado Democrático de Direito.

“Reconheço que cometi um equívoco ao defender a tese de que haveria fraude, ou mesmo risco de fraude, nas urnas eletrônicas. Na verdade, não há nenhum indício concreto que aponte para o risco de distorção no resultado às urnas, ou na vontade do eleitor brasileiro”, diz um trecho do documento, divulgado pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Serere Xavante declarou não defender “ruptura democrática” nem acreditar em “métodos violentos e/ou qualquer tipo de violência como método de ação política”.

Ele ainda pediu desculpas ao povo brasileiro “por eventuais declarações exageradas ao criticar o sistema eleitoral”. Desculpou-se também, diretamente, a Alexandre de Moraes, ao STF, ao “presidente irmão” Lula, à sua família, à tribo Xavante e aos “irmãos da nossa igreja”.

Em dezembro, a Polícia Federal afirmou ao STF que Serere Xavante teria realizado manifestações antidemocráticas em diversos pontos de Brasília: em frente ao Congresso Nacional, no Aeroporto Internacional, no Park Shopping, na Esplanada dos Ministérios e em frente ao hotel onde estão hospedados o presidente e o vice-presidente da República eleitos.

Ao pedir à Corte a prisão temporária, a Procuradoria-Geral da República argumentou que o indígena se utiliza “de sua posição de cacique do Povo Xavante para arregimentar indígenas e não indígenas para cometer crimes, mediante a ameaça de agressão e perseguição” de Lula, Moraes e do ministro do STF Luís Roberto Barroso.

Moraes concordou com as ponderações da Procuradoria e anotou que as condutas do bolsonarista são graves e revelam os riscos de mantê-lo em liberdade, uma vez que Serere Xavante convocou expressamente pessoas armadas para impedir a diplomação de Lula e de seu vice Geraldo Alckmin (PSB).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo