Política

Governo publica MP que autoriza importação de arroz após enchentes no RS

Estado atingido pelas chuvas é o principal produtor do País

Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

O governo federal publicou, na noite desta quinta-feira 9, uma Medida Provisória que autoriza a importação de até 1 milhão de toneladas de arroz pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A iniciativa visa a recomposição dos estoques públicos após enchentes que atingiram o Rio Grande do Sul. O estado afetado pelas chuvas é o principal produtor do grão no País. 

A medida foi publicada na edição extra do Diário Oficial da União e permite a compra do grão por meio de leilões públicos e a preço de mercado, para impedir o desabastecimento. A ideia, conforme destacou o presidente Lula (PT) ao longo da semana, é conter também a inflação. 

“Agora com a chuva eu acho que nós atrasamos de vez a colheita [do arroz] do Rio Grande do Sul. Se for o caso para equilibrar a produção, a gente vai ter que importar arroz, a gente vai ter que importar feijão para que a gente coloque na mesa do povo brasileiro um preço compatível com aquilo que ele ganha”, sinalizou Lula, naquela ocasião. 

Pouco depois, o plano foi iniciado pelo ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro.

Ao detalhar a iniciativa, ele disse que o grão deverá ser comprado de produtores do Mercosul. O ministro justificou a medida diante do volume produzido no Rio Grande do Sul. Segundo informou, a interrupção da produção no estado pode afetar o resto do Brasil, já que o RS seria responsável po”70% da demanda brasileira”.

Fernando Haddad, ministro da Fazenda, foi outro a tratar do tema. Nesta quarta, ele alertou para que o governo federal não compre o produto a um preço superior ao praticado no País. Caso contrário, a ação não cumpriria o objetivo de conter uma alta nos preços.

Segundo a MP publicada nesta quinta, os estoques comprados pelo Brasil serão destinados à venda para pequenos varejistas das regiões atingidas pela tragédia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo