Política

Governo Lula defende julgamento sobre cassação de Nikolas Ferreira por transfobia

Nota técnica do Ministério dos Direitos Humanos diz que discurso de deputado sobre pessoas trans é ‘passível de responsabilização criminal’

O deputado federal bolsonarista Nikolas Ferreira. Foto: Reprodução/TV Câmara
Apoie Siga-nos no

O Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania publicou, neste sábado 15, uma nota técnica em que recomenda o julgamento sobre a possível cassação do deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) na Câmara, por prática de transfobia.

Ferreira se tornou alvo de pedidos de cassação no Conselho de Ética por quebra de decoro, após vestir uma peruca loira e dizer que mulheres estariam perdendo espaço para “homens que se sentem mulheres”. A declaração ocorreu no plenário da Câmara, no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Entidades e parlamentares também entraram no Supremo Tribunal Federal com uma notícia-crime, com base na decisão da Corte, de 2019, que aprovou a criminalização da LGBTfobia.

Para o Ministério, o discurso de Ferreira é “passível de responsabilização criminal por transfobia e discurso de ódio” e a possibilidade de não responsabilizá-lo pela conduta “configura uma ameaça à estabilidade democrática”.

A pasta argumenta que Ferreira cometeu ato discriminatório por meio de “transfobia recreativa”.

“NF profere discurso de ódio no momento em que satiriza e nega a realidade das pessoas trans, travestis e não-binárias, intencionalmente reduzindo a identidade de gênero a um ‘sentimento’, ao ponto de, ao se fantasiar com uma peruca, declarar-se mulher”, diz a nota técnica.

O texto é assinado pelo ministro Silvio Almeida, pela secretária-executiva da pasta, Rita Cristina de Oliveira, e pela secretária nacional dos Direitos das Pessoas LGBTQIA+, Simmy Larrat.

Caso o processo contra Ferreira seja analisado no Conselho de Ética, três membros da instância serão sorteados, e um deles será escolhido como relator. O parlamentar nessa posição deverá redigir um relatório em que defenda ou não a responsabilização do deputado julgado. O prazo da investigação é de 60 dias.

Se o Conselho decidir pela punição, Ferreira ainda poderá recorrer à Comissão de Constituição e Justiça. Depois do julgamento do recurso, o pedido de penalização vai à análise do plenário. Para cassar o mandato do deputado, a Câmara precisará reunir 257 votos.

Em 2022, Ferreira foi o deputado federal mais votado do País. O jovem de 26 anos foi eleito por Minas Gerais com mais de 1,4 milhão de votos, com posições claras contra a esquerda e ao que chama de “ideologia de gênero”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo