Cultura

Governo federal não patrocinou show da Madonna no RJ

Parlamentares e influencers da direita questionam a origem do dinheiro utilizado para viabilizar a apresentação gratuita da cantora e tentam vincular possíveis contas ao governo

Anitta e Madonna durante apresentação no Rio de Janeiro. Foto: Manu Scarpa / Brazil News
Apoie Siga-nos no

O governo federal não patrocinou a vinda de Madonna ao Brasil no último sábado 4 para apresentação única em Copacabana, no Rio de Janeiro.

Nas redes sociais, parlamentares e influencers da direita questionam a origem do dinheiro utilizado para viabilizar a apresentação gratuita da cantora na noite de ontem e o cachê recebido por ela.

Do total de 59,9 milhões gastos com o cachê e estrutura para a apresentação da cantora, 10 mi foram custeados pela prefeitura e outros 10 mi pelo governo do estado do Rio de Janeiro. O restante do montante partiu do Itaú e de outros patrocínios privados, como a Heineken e a empresa de streaming Deezer.

Estima-se que a vinda de Madonna ao Rio de Janeiro tenha movimentado mais de 300 milhões de reais na economia local.

Na manhã deste domingo 5, o ministro da Secretaria de Comunicação social da presidência, Paulo Pimenta, publicou um vídeo desmentindo as informações falsas que circulam sobre um suposto investimento do governo federal via lei Rouanet e desvio de verbas que seriam destinadas ao RS. “Estou perplexo com a quantidade de mentiras, fake News e desinformação que estão circulando tentando criar narrativa mentirosa de uma ligação do show da Madonna com a tragédia no Rio Grande do Sul”, destaca.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo