Gilmar entra com ação para proibir Janot de portar arma e visitar STF

Requerimento foi entregue para o ministro Alexandre de Moraes após Janot revelar plano de assassinato

O ministro Gilmar Mendes, em sessão no Supremo Tribunal Federal. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

O ministro Gilmar Mendes, em sessão no Supremo Tribunal Federal. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

Política

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu a retirada do porte de arma do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot e a proibição de que ele entre na Corte. A informação é da colunista do jornal Folha de S. Paulo, Monica Bergamo.

A solicitação consta em requerimento encaminhado ao ministro Alexandre de Moraes, que conduz o inquérito que apura ameaças a membros do STF. Se a representação for aceita, Janot também pode ser proibido de chegar perto de qualquer lugar em que Gilmar Mendes esteja.

Na quinta-feira 26, o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma entrevista em que Janot confessa ter planejado assassinar Gilmar e se suicidar em seguida. O ex-procurador diz que não cometeu o crime porque foi impedido pela “mão de Deus”.

Janot afirmou que sua filha foi alvo de mentiras por Gilmar, após o ex-procurador pedir o impedimento de que o ministro julgasse o habeas corpus de Eike Batista. O plano de matar o magistrado é revelado no livro “Nada menos que tudo”, que o ex-procurador deve lançar na próxima semana.

Em resposta, Gilmar afirmou que lamenta os “impulsos homicidas” de Janot e colocou dúvidas sobre os processos conduzidos pelo ex-procurador na Operação Lava Jato.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem