Política

Funcionários de empresa investigada denunciam irregularidades à CPI da Covid

‘Três das dez empresas do grupo podem ser empresas fantasmas’, escrevem na carta aos senadores

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

Funcionários de uma empresa ligada à VTCLog encaminharam na terça-feira 7 uma carta anônima aos senadores da CPI da Covid em que pedem uma ‘investigação mais profunda’ nos negócios do grupo.

As suspeitas são de tráfico de influências e uso de empresas fantasmas em negócios com o governo federal. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

“A CPI precisa aprofundar não somente na VTCLog, mas em todo o grupo Voetur”, pedem os funcionários. “Três das dez empresas do grupo podem ser empresas fantasmas. A maioria tem como principal fonte de renda o setor público”, acrescentam os denunciantes.

Segundo apontam, a Vip Service Club Marina, VTI Inovação e Logística e a Voetur Consolidadora seriam as empresas de fachada usadas pelo grupo investigado pela CPI.

No texto aos senadores, há ainda suspeitas de tráfico de influências e uma suposta ligação dos donos da empresa com o vice-presidente Hamilton Mourão. Segundo apontam, Elizabeth Cassaro, amiga íntima do dono Carlos Alberto de Sá e gestora da Voetur Eventos, esteve com o general e atuou para obter vantagens para o grupo em uma licitação.

“Recentemente a empresa ficou em sexto lugar na disputa para licitação do Itamaraty (não sabemos apontar especificamente qual) e desclassificaram as demais concorrentes, priorizando e privilegiando a Eventos. […] Bastou uma ligação da Elizabeth para o responsável do Itamaraty e ele então conseguiu colocar a empresa de volta”, denunciam os funcionários.

Os funcionários alegam que toda a alta cúpula da empresa ‘possui contatos’ e atuam sempre de modo a obter vantagens nos contratos.

“Todos no âmbito corporativo reconhecem a influência do Carlos Alberto em esferas importantes da sociedade, o que proporciona facilitações em processos para a VTC. Foi na entrega das vacinas da Covid que houve também um boato interno de que a Drª Andreia [Lima] poderia conseguir vacinas para a diretoria”, destacam na carta.

A VTCLog é suspeita de integrar um grande esquema de propina e corrupção no Ministério da Saúde desde 2018, quando assumiu toda a logística de medicamentos e vacinas da pasta. O setor era coordenado por um órgão público, mas foi substituído pela empresa pelo então ministro da Saúde, Ricardo Barros (PP-PR), atual líder do governo na Câmara dos Deputados. Neste período, a empresa superou os 257 milhões em contratos, destes, apenas 4 milhões foram feitos com licitação.

Mesmo com a saída de Barros da pasta, a empresa seguiu fechando negócios. Na gestão de Jair Bolsonaro, a VTCLog operou um contrato de 21,9 milhões de reais em 2019, renovado com um valor menor em 2020, 16,5 milhões de reais.

A empresa ainda possui ligações com Roberto Ferreira Dias, apontado como articulador da propina na compra de vacinas. Suspeita-se de que ela tenha pago boletos do ex-diretor de logística do ministério que somam mais de 40 mil reais.

O depoimento de Zenaide Sá Reis, responsável pelo setor financeiro, já foi convocado e deve ocorrer na CPI na próxima semana. A gestora também teve os sigilos quebrados pela comissão de inquérito.

O grupo Voetur afirmou que desconhece o teor da carta e que ‘rechaça veementemente o seu conteúdo leviano’. Disse ainda que buscará ‘as medidas judiciais cabíveis contra todas as falácias apontadas’. A vice-Presidência optou por não se manifestar.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.