CartaExpressa

Financiadores do terrorismo bolsonarista foram identificados em 10 estados, diz Dino

‘Nós temos a relação de todos os contratantes de ônibus’, afirmou o ministro da Justiça nesta segunda-feira 9

O ministro da Justiça, Flávio Dino, indicado para o Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Carl de Souza/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino (PSB), disse nesta segunda-feira 9 que a Polícia Federal já identificou em 10 estados os financiadores dos atos terroristas promovidos por bolsonaristas no último domingo 8, em Brasília.

Dino não revelou os estados, nem detalhou as quantias envolvidas no processo. A apuração ocorre no âmbito de três inquéritos abertos pela PF para apurar a invasão aos prédios dos Três Poderes. Cada investigação se debruçará sobre as circunstâncias da ação em um local específico: no Congresso Nacional, no Palácio do Planalto e no Supremo Tribunal Federal.

Segundo o ministro, “não é possível ainda distinguir nitidamente responsabilidades quanto ao financiamento”.

“O que é possível afirmar cabalmente é que havia financiamento. Nós temos a relação de todos os contratantes de ônibus. Todas essas pessoas serão chamadas a prestar esclarecimentos, porque são pessoas que contrataram ônibus e não eram para excursões turísticas. Temos relação, PRF [Polícia Rodoviária Federal] forneceu à PF”, declarou Dino em entrevista coletiva.

Na entrevista, o ministro também informou que mais de 1,5 mil pessoas foram presas em flagrante ou detidas em decorrência dos atos de terrorismo. A maioria estava no acampamento golpista instalado no Setor Militar Urbano.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.