Política

Filho ’04’ e ex-mulher de Bolsonaro vivem em mansão de R$ 3,2 milhões em Brasília

Imóvel de luxo tem vista privilegiada e fica próxima à mansão de R$ 6 milhões adquirida recentemente por Flávio Bolsonaro

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Jair Renan, o filho 04 do presidente Jair Bolsonaro mudou-se acompanhado da mãe, Ana Cristina, para uma mansão avaliada em 3,2 milhões de reais no Lago Sul, em Brasília. O imóvel de luxo tem vista privilegiada para a ponte JK, cartão postal da cidade, e fica próxima à casa de 6 milhões adquirida recentemente por Flávio Bolsonaro. A informação é do portal UOL.

A casa, diferente da do irmão mais velho, é alugada e pertence ao corretor de imóveis Geraldo Antônio Machado, que a comprou em 31 de maio, poucos dias antes de alugar ao filho do presidente por 300 mil reais abaixo do valor de mercado. Machado optou por não morar na mansão recém adquirida e seguir vivendo em uma residência modesta de Vicente Pires, região de classe média do DF.

Segundo justificou ao portal UOL, ele não se mudou para a mansão porque teve ‘um probleminha’ na venda do imóvel em que vive.

“Eu ia mudar para lá [casa do Lago Sul], mas infelizmente a pessoa declinou do meu negócio aqui [casa onde vive]. Eu tive que, infelizmente, alugar. É um sonho morar no Lago [Sul] né. É bem localizado”, justificou, em seguida informando que pretende se mudar para a mansão dentro de um ano.

 

De acordo com o anúncio de aluguel, o imóvel está localizado em um terreno de 1.200 metros quadrados com cerca de 800 metros quadrados de área construída em dois pisos. Possui uma piscina e quatro suítes, além de escritório e outros itens de alto luxo. Em São Paulo, a mansão seria classificada no ‘padrão F’, o mais alto.

A mansão onde há dois meses vivem Renan Bolsonaro e a mãe é o único imóvel registrado em nome de Machado em Brasília. O corretor justificou dizendo que tem outras casas, mas sem escritura.

O valor do aluguel pago por ’04’ e Ana Cristina não foi revelado, mas anúncios na região em imóveis do mesmo padrão indicam montantes de cerca de 15 mil reais mensais. Segundo o dono, ele pediu o valor do mercado para concretizar o negócio de forma mais rápida.

“A princípio, eu ia pedir um valor alto, mas eu pedi um valor de mercado mesmo para alugar rápido e eu resolver meu problema”, explicou sem fornecer detalhes do valor acertado e confirmando que recebeu outras duas propostas pelo espaço.

Ana Cristina é advogada e recebe 6,2 mil reais como assessora parlamentar da deputada federal Celina Leão (PP-DF). Ela é investigada pelos esquemas de rachadinha no gabinete do vereador carioca e filho do presidente Carlos Bolsonaro. Quando era casada com Jair, Ana foi dona de 14 imóveis, boa parte comprada em dinheiro vivo. Na separação, a advogada ficou com dois terços dos bens, vendeu alguns, se mudou para Noruega e ao retornar o Brasil seguiu com a prática de comprar terrenos e casas em dinheiro vivo.

Já Renan tem como atividade principal uma empresa de eventos que é alvo de investigação por possível tráfico de influência junto ao governo federal. Pela empresa o jovem já recebeu diversas ‘permutas’ de empresários que possuem negócios com a gestão do pai no Planalto.

Segundo Machado, ele só descobriu só nesta semana que os locatários eram Renan e a mãe, alegando que o negócio foi concretizado com um escritório de advocacia em Águas Claras. “Eu odeio política”, afirmou.

O filho do presidente e a mãe não quiserem se manifestar sobre o aluguel ao UOL. Em frente ao local, Ana Cristina se limitou a dizer que o imóvel não pertencia a ela, sem confirmar se alugou o local.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo