Fernando Cury diz que deu ‘abraço’ como gesto de ‘gentileza’ em Isa Penna

Deputada acusa-o de importunação sexual e quebra de decoro. Momento está gravado pelas câmeras da Alesp e mostra Cury apalpando-a por trás

Deputado Fernando Cury dá depoimento em Comissão de Ética da Alesp (Foto: Reprodução/Alesp)

Deputado Fernando Cury dá depoimento em Comissão de Ética da Alesp (Foto: Reprodução/Alesp)

Política

O deputado estadual de São Paulo Fernando Cury (Cidadania) afirmou, em depoimento prestado nesta quarta-feira 24 no Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), que “abraçou” a deputada Isa Penna (PSOL) como uma forma de “demonstrar carinho”.

Cury responde por quebra de decoro parlamentar após ter assediado deputada em momento capturado por câmeras e pode apresentar testemunhas para falar em seu favor. Ele também responde criminalmente a acusação de importunação sexual.

“Vocês conhecem minha índole e esse meu jeito de abraçar, beijar e demostrar carinho.”, declarou. “Esse episódio me traz muito aprendizado. Meu jeito não é tolerado por parte das pessoas”.

As testemunhas levadas ao Conselho por Cury eram todas mulheres. Entre elas, estava a chefe do gabinete do deputado e uma colega de faculdade. Para elas, não houve “malícia” no toque de Cury no corpo de Penna.

O deputado também levou um perito para analisar o vídeo. Edmundo Braun afirmou que não era possível afirmar que houve toque na deputada, apenas uma “sobreposição” da imagem da mão sobre o corpo de Penna. Ele não excluiu a possibilidade de ter, de fato, existido toque, mas afirmou que não existiu assédio pela “demora” da reação de Isa Penna. Nas imagens, a deputada retira as mãos de Fernando Cury de seu corpo.

Ao longo da sessão, deputados integrantes do Conselho questionaram se Cury era próximo de Isa Penna, ao qual ele respondeu que não. No entanto, afirmou que sua intenção era conversar com o presidente da Alesp, Cauê Macris (PSDB), para pedir o encerramento da sessão plenária.

 

 

“O abraço foi um gesto que quis fazer de gentileza, porque eu ia interromper a conversa dela com Cauê Macris. Gesto esse, no meu entendimento, completamente sem maldade, completamente sem segundas intenções, um gesto que não teve qualquer conotação de intenção sexual, mas que a deputada Isa Penna, no seu direito, evidentemente, considerou constrangedor e ofensivo”.

O deputado Emidio de Souza (PT), relator do caso, deve apresentar seu parecer em até 15 dias. Caso haja uma condenação, o caso será enviado para votação no plenário da Alesp.

Nas redes sociais, Isa Penna afirmou que a reunião foi “muito violenta” e que somente a “união e mobilização serão capazes de vencer o corporativismo machista.”

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem