Conselho de Ética abre processo contra deputado que assediou Isa Penna

Processo pode levar à cassação de Fernando Cury (Cidadania) por importunação sexual; atitude foi flagrada pelas câmeras da Alesp

Foto: Divulgação/Alesp

Foto: Divulgação/Alesp

Política

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Assembleia Legislativa de São Paulo deu início nesta segunda-feira 1 ao processo que pode resultar na cassação do deputado Fernando Cury (Cidadania) por importunação sexual. Em dezembro, o parlamentar foi flagrado pelas câmeras da Assembleia colocando a mão na lateral dos seios da deputada Isa Penna (PSOL).

 

 

Cury recebeu, nesta segunda, uma notificação da presidente do Conselho, deputada Maria Lúcia Amary (PSDB), e tem até cinco dias corridos para apresentar sua defesa no caso. Em nota enviada por sua assessoria, o deputado disse que irá cumprir os prazos e trâmites previstos no regimento da Casa.

A primeira reunião do conselho está marcada para a próxima quarta-feira, às 11h, quando Maria Lúcia dará ciência aos membros do conselho sobre a representação de Isa Penna.

Assim que Cury apresentar sua defesa prévia, uma nova reunião será marcada para dar admissibilidade ou não à denúncia. Em seguida, ocorrerá a nomeação de um relator, que terá 15 dias para apresentar seu parecer. O documento elaborado pelo relator será votado pelos demais membros do conselho, formado por nove deputados, além da presidente e de seu vice, deputado Alex de Madureira (PSD).

Ao Estadão, a deputada Maria Lúcia disse que espera concluir o processo até o final de março. “Nunca houve um processo dessa natureza. Mas, não tendo interferência judicial, o conselho seguirá os prazos definidos pelo regimento e, até março, o caso deve ser julgado”. A presidente disse que está agindo de modo que a celeridade não atrapalhe a legalidade da condução do processo, já que qualquer erro pode gerar questionamentos. Ela citou como exemplo a suspensão do processo ético-disciplinar movido pelo Cidadania contra Cury; a 20ª Vara Cível de Brasília acolheu uma liminar do deputado por entender que o processo deveria primeiro ser analisado pelo conselho de ética estadual da legenda e, só depois, passar pelo nacional.

Se o conselho da Alesp decidir pela cassação de Cury, o caso será encaminhado para o plenário e passará por uma votação nominal em que será necessária maioria absoluta para confirmar a destituição de Cury.

A deputada Isa Penna afirmou ao Estadão que o dia de hoje marca o início de uma luta histórica: “Se a gente conseguir a justiça plena, que é a cassação de um deputado por causa de um ato de assédio, a luta das mulheres terá aí um marco. Espero que os integrantes do Conselho de Ética estejam nesse momento com a mesma sensação de responsabilidade que eu, que estou representando várias mulheres que não foram ouvidas nem tiveram seus casos filmados. Espero que eles entendam que a sociedade espera essa mudança, é essa justiça”.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem