Política

Em dia de protestos contra Bolsonaro, políticos se mobilizam nas redes

Em dia de protestos por todo o País contra o presidente Jair Bolsonaro, políticos de oposição e também a favor do chefe do Planalto começam mobilização nas redes sociais. Em algumas cidades, os atos já começaram, como Brasília, Rio de Janeiro, Recife, Florianópolis e São […]

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: AFP
O presidente Jair Bolsonaro. Foto: AFP

Em dia de protestos por todo o País contra o presidente Jair Bolsonaro, políticos de oposição e também a favor do chefe do Planalto começam mobilização nas redes sociais. Em algumas cidades, os atos já começaram, como Brasília, Rio de Janeiro, Recife, Florianópolis e São Luiz. Em São Paulo, a manifestação está marcada para 16 horas deste sábado, 29. Os atos estão sendo organizados por frentes sociais, como Povo sem Medo e Brasil Popular.

Políticos da esquerda estão convocando a população para as ruas. Em tentativa de evitar críticas por causa das aglomerações, muitas publicações recomendam medidas de segurança para evitar o contágio de Covid-19, como o uso de máscaras. Os políticos também destacam que o protesto também visa a defesa da vacinação de toda a população e de um auxílio emergencial de R$ 600.

“Bolsonaro transformou a morte em política de governo. O lugar dele não é na presidência da República, é no banco dos réus. Pela memória dos que se foram, pela dor das famílias despedaçadas, pelos que estão lutando pela vida, pela dignidade de quem está passando fome: FORA BOLSONARO”, disse o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ).

 

O senador Humberto Costa (PT-PE) recomendou o uso de máscaras nas manifestações e incentivou o posicionamento pelas redes sociais. ” Todo apoio é importante. #29MPovoNasRuas.”

Guilherme Boulos (Psol), que disputou a prefeitura de São Paulo em 2020, afirmou que “hoje é dia de fora Bolsonaro” e também recomendou o uso de máscaras PFF2 ou N95, mais eficazes contra o vírus, assim como o distanciamento social.

Do mesmo partido, a deputada estadual gaúcha Luciana Genro argumentou que o povo tem de ir às ruas porque não pode esperar o Brasil chegar a 1 milhão de mortos por covid-19. “O genocídio precisa acabar, e para isso Bolsonaro tem que sair. Se um povo faz manifestações em meio a uma pandemia, é porque seu governo é mais perigoso que o vírus.” A deputada também está compartilhando fotos de protestos no País e também em Londres, na Inglaterra.

De outro lado, o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro, filho do presidente, respondeu a um comentário do empresário Marcelo de Carvalho, sócio-fundador da RedeTV, que afirma que os protestos contra Bolsonaro estão vazios ao contrário das manifestações a favor do presidente. “Comparem com as manifestações pró e me respondam: “QUEM ACREDITA NO DATAFOLHA ???””, diz a publicação.

Na resposta, Carlos disse que “no jogo limpo, algo que nunca fizeram, claramente não chegam nem perto”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!