Política

Eduardo Bolsonaro pagou funcionário de argentino que mentiu sobre urnas

Investigação feita por consócio de veículos mostra ligação entre o filho do ex-presidente e consultor que inflamou discurso bolsonarista sobre fraude eleitoral

Reprodução Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL) contratou um funcionário do consultor político argentino Fernando Cerimedo para atuar em sua campanha de reeleição à Câmara dos Deputados. 

Além de atuar como “assessor do deputado para assuntos internacionais”, Giovanni Larosa é correspondente no Brasil do site de Cerimedo, o La Derecha Diario, ao menos desde 2021. 

Em outubro, Larosa acompanhou Eduardo em uma viagem oficial a Buenos Aires, em meio ao segundo turno das eleições presidenciais. 

A viagem foi “patrocinada” pelo consultor e a cobertura foi feita por seu site, La Derecha Diario. 

Cerca de vinte dias após o encontro entre o consultor e Eduardo, Cerimedo se tornou o “herói bolsonarista” após divulgar em lives informações falsas sobre o sistema eleitoral brasileiro após a derrota de Jair Bolsonaro (PL), inflamando o discurso extremista que culminou no 8 de Janeiro. 

Os detalhes do caso foram relevados na investigação “Mercenários Digitais”, feita pela Agência Pública, o portal UOL e outros 22 veículos da América Latina. Outras quatro organizações especializadas em investigação digital sob a liderança do Centro Latino-Americano de Investigação Jornalística (Clip) também integram a reportagem. 

Da esquerda para a direita, Ezequiel Acuña, Fernando Cerimedo, Eduardo Bolsonaro e Giovanni Larosa durante missão oficial do deputado federal à Argentina em outubro do ano passado Da esquerda para a direita, Ezequiel Acuña, Fernando Cerimedo, Eduardo Bolsonaro e Giovanni Larosa durante missão oficial do deputado federal à Argentina em outubro do ano passado

Registros mostram o consultor político argentino servindo como anfitrião de Eduardo Bolsonaro em Buenos Aires. 

Durante o “passeio”, o filho do ex-presidente se encontrou com lideranças da extrema-direita do país, deu entrevistas para veículos locais e gravou quatro vídeos para a campanha do pai. 

Eduardo pretendia convencer eleitores indecisos de que o Brasil com Lula se tornaria a Argentina, que atravessa uma crise econômica, com mais de 94,8% de inflação ao ano. Toda a viagem foi registrada pelo La Derecha Diario.

“La Derecha Diario e Agencia Numen trouxeram Eduardo Bolsonaro à Argentina: os motivos e a agenda do filho do presidente”, dizia uma notícia vinculada ao portal. 

De acordo com documentos obtidos pela Pública por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), a ida de Eduardo Bolsonaro para a Argentina contou com apoio institucional do Itamaraty e da Câmara dos Deputados. 

Ainda que existam diversas ligações com Bolsonaro, o consultor político negou aos jornalistas do consórcio que tenha sido contratado pela campanha de Bolsonaro para fazer a live. Ele afirmou que foi procurado por um amigo “que é um estudioso do Brasil e fanático por Bolsonaro”, que teria desconfiado de erros na contagem da votação.

“Nem os militares nem ninguém do partido entrou em contato comigo antes da live. Eu não conseguia nem falar com Eduardo”, ressaltou, mesmo que semanas antes eles estivessem juntos.

Atuação de Cerimedo

Segundo a investigação do consórcio de veículos, Fernando Cerimedo trabalhava com disseminação de fake news utilizando, como seu canal principal, o site de notícias La Derecha Diário. Ele também é o dono de outros 35 veículos digitais menores. 

Nos últimos quatro anos, Cerimedo teve um crescimento meteórico e montou um grupo empresarial detentor de uma empresa de segurança privada, uma escola de cursos de marketing digital, que diz ter parcerias com TikTok, Google, Meta e Twitter, bem como uma agência de publicidade, a Numen Publicidad. 

Ainda que anuncie a parecia com as big techs, o Tiktok e o Google disseram não encontrar registros da empresa no diretório de colaborações.

Em uma entrevista ao consórcio, Cerimedo admitiu ter “um monte de trolls”. Ainda que negue, as contas falsas podem ter sido usadas para manipular algoritmos, melhorando a entrega da mensagem de seus clientes. 

Segundo o site da Numen Publicidad, a empresa já prestou consultoria política para 50 campanhas eleitorais na América Latina e Estados Unidos e possui escritórios em Buenos Aires, Santiago (Chile) e São Paulo. 

Questionado, Cerimedo negou a existência de escritórios ou clientes no Brasil e apontou que a sua relação com Eduardo Bolsonaro é apenas “amizade”. 

Interferência nas eleições brasileiras 

No Brasil, o Tribunal Superior Eleitoral suspendeu as contas nas redes socais do La Derecha Diario Brasil após a divulgação de uma série de mentiras sobre a segurança das eleições no País. 

Uma live do canal, intitulada de “Brazil Was Stolen” (O Brasil foi roubado, em português), foi repercutida por bolsonaristas para inflamar o clima após a derrota do ex-capitão, que resultou nos ataques golpistas de 8 de Janeiro.

No vídeo, Cerimedo defende que houve fraude eleitoral e que os modelos mais antigos de urnas haviam sido adulterados para favorecer Lula. Esses dispositivos, segundo ele, não passaram por auditoria. No entanto, as afirmações são inverídicas, dado que todas as urnas usadas no pleito de 2022 foram fiscalizadas pela Justiça Eleitoral. 

Outras três lives, que continuam disponíveis na internet, mostram Fernando Cerimedo atacando o sistema eleitoral nacional. Questionado sobre as alegações, o consultor tenta se isentar. 

“Eu nunca disse que houve fraude no Brasil, mas que tinha que ser investigada”, argumentou, embora seus vídeos e postagens repitam a afirmação infundada.

Segundo a investigação, a live contendo a fake news de fraude eleitoral ajudou a manter os militantes bolsonaristas nas ruas e incentivou mais pessoas a se juntarem aos atos antidemocráticos que pediam intervenção federal.

Mesmo com diversos indícios, Cerimedo continuou omitindo sua relação com Eduardo Bolsonaro e com a campanha do ex-presidente. O consultor atribui que as informações que embasaram nas mentiras foram passadas a ele por “entidades privadas”. 

“É importante esclarecer que esta informação não tem nada a ver com a campanha de Bolsonaro nem do governo. Essa informação chegou às nossas mãos por parte de entidades privadas”, ressaltou.

O interessante é que o argentino continuava a repetir os mesmos argumentos utilizados por bolsonaristas e pelo ex-presidente para questionar a credibilidade das urnas. 

Cerimedo, em audiência pública do Senado, em 30 de novembro de 2022, disse que o resultado eleitoral que deu a vitória a Lula era “matematicamente impossível de acontecer” e que “a paz do Brasil só acontecerá com uma auditoria e um voto de papel”. 

Ele ainda defendeu o ex-presidente Bolsonaro e pediu para que a população fosse às ruas para “salvar o País”. 

“Façam algo, agora, nesse momento, levantem de seus sofás, saiam para as ruas, lutem pelo futuro das próximas gerações e entrem para história. O Brasil é lindo e merece um povo que o mereça de verdade. Lembrem-se: o único supremo é o povo”, finalizou, repetindo o lema de protestos bolsonaristas.

Interferência política em outros países

A investigação identificou que o consultou político utilizou na Argentina e no Chile estratégias semelhantes às usadas no Brasil.

No Chile, atuou pela rejeição do novo texto constitucional. Após a rejeição da nova Constituição, o La Derecha Diario divulgou que o presidente Gabriel Boric havia tido um “colapso nervoso”, a hashtag #Boricinternado se disseminou em minutos nas redes sociais, antes mesmo da notícia ter sido publicada no site, um indício do uso de contras faltas e dos alegados “trolls”. 

O site ainda divulgou notícias falsas sobre o atentado sofrido pela vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, em 2022. 

Mesmo após as notícias publicadas no La Derecha Diario serem desmentidas por diversos sites de checagem, o consultou continua afirmando não ser produtor de fake news. 

“Chamar-nos de desinformadores em série por duas ou três bobagens é a única maneira que eles têm de nos atingir. Sou contra as fake news”, afirmou. 

“La Derecha Diario é o único dos meus veículos que faz travessuras”, ameniza.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo