Educação

Diretor do MEC envolvido no esquema de kits de robótica é exonerado pelo governo

Alexsander Moreira já havia sido afastado pela pasta comandada por Camilo Santana após a operação da Polícia Federal

Foto: Maria Odília/Divulgação/Secretaria de Educação de Sergipe
Apoie Siga-nos no

O governo federal exonerou Alexsander Moreira, diretor de Apoio à Gestão Educacional do Ministério da Educação (MEC), após a operação da Polícia Federal que mira fraudes em compra de kits de robótica. Ele havia sido afastado na semana anterior, mas foi definitivamente tirado do cargo nesta segunda-feira 5, segundo publicação do Diário Oficial da União.

No sábado 3, notícias davam conta de que a PF encontrou movimentações suspeitas que superavam os 700 mil reais na conta de Moreira. Ele ocupava, na época da fraude nos kits, a coordenador-geral de Apoio às Redes e Infraestrutura Educacional no MEC. O setor era responsável pela movimentação financeira nas fraudes ocorridas durante a gestão de Jair Bolsonaro (PL).

Moreira estaria envolvido no esquema liderado por aliados de Arthur Lira (PP-AL). Na quinta-feira, o alvo da operação da PF foi a Megalic, uma empresa de kits de robótica comandada por Roberta Lins Costa Melo e Edmundo Catunda. Este é pai de João Catunda (PSD), vereador da capital alagoana, um aliado político do presidente da Câmara.

A Operação Hefesto mira a empresa a partir de uma investigação sobre crimes de fraude em licitação e lavagem de dinheiro em contratos para a compra de kits de robótica com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), em Alagoas.

A suspeita é que a Megalic tenha vendido os kits para os municípios de Alagoas com uma diferença de 420% em comparação ao preço que declarou ter comprado. A fraude nos processos de compra foi identificada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), ainda durante o governo Bolsonaro.

A PF cumpriu vinte e sete mandados de busca e apreensão, além de dois de prisão temporária (estes, em Brasília), os investigadores estimam que as fraudes podem ter gerado um prejuízo de 8,1 milhões de reais. Durante as buscas, um cofre com mais de 4 milhões de reais em dinheiro vivo foi encontrado.

Em abril do ano passado, a então secretária de Educação da cidade de Flexeiras (AL), um dos municípios beneficiados com a liberação para compra de kits de robótica, acusou Arthur Lira de intervir para liberar os recursos.

Neste domingo, imagens da PF exibidas pelo programa Fantástico, da TV Globo, mostraram pessoas ligadas ao ex-assessor de Lira movimentando valores em dinheiro vivo. O deputado nega qualquer relação com o esquema.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.