Economia

Dino cobra explicações de Lula, Lira e Pacheco sobre cumprimento de decisão que vetou o Orçamento Secreto

A modalidade, instituída durante o governo de Jair Bolsonaro (PL), foi declarada inconstitucional pelo STF

Apoie Siga-nos no

O ministro Flávio Dino, do Supremo Tribunal Federal, pediu que os presidentes da República, da Câmara e do Senado prestem esclarecimentos em até 15 dias sobre eventual descumprimento à decisão da Corte que extinguiu o chamado Orçamento Secreto. A decisão foi assinada na última quinta-feira 18.

Não se trata, porém, de uma obrigação. Ou seja: Lula (PT), o senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e o deputado federal Arthur Lira (PP-AL) só se manifestarão caso julgarem necessário. O PSOL, partido que ingressou com a ação no tribunal, também foi instado a responder.

Instituído sob Jair Bolsonaro (PL), o Orçamento Secreto foi declarado inconstitucional pelo Supremo em 2022. Era, na prática, um mecanismo pouco transparente utilizado para contemplar parlamentares com verbas além daquelas a que eles teriam direito, em troca de apoio no Congresso Nacional.

Dino pediu esclarecimentos aos chefes dos Poderes após três entidades – Associação Contas Abertas, Transparência Brasil e Transparência Internacional – indicarem à Corte que a decisão estava sendo descumprida. Os relatos enviados ao ministro no ano passado mencionavam, entre outros pontos, as chamadas emendas Pix.

Nssa modalidade, também chamada de ’emenda cheque em branco’, o dinheiro público é enviado por parlamentares a seus redutos eleitorais sem precisar passar pelos ministérios. Em janeiro, o Tribunal de Contas da União editou uma instrução normativa para obrigar estados e municípios a detalharem como esses recursos foram gastos.

Até então, prefeituras e governos estaduais decidiam se prestavam ou não esclarecimentos sobre o destino das parcelas bilionárias do Orçamento. Em muitos casos, o dinheiro, embora destinado a obras de infraestrutura, foi utilizado para custear festivais durante a campanha eleitoral de 2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo