Política

Desbolsonarização: governo Lula dispensa nova leva de militares

Ao todo, já são 63 militares que prestavam serviços à Presidência afastados nos últimos dias

Militares do Exército em fila. Foto: Acervo 13BIB - Curitiba /PR
Apoie Siga-nos no

Em portaria publicada nesta segunda-feira 23, o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dispensou outros seis militares ligados ao gabinete da Presidência, Vice-Presidência e do Gabinete de Segurança Institucional.

Com a nova lista de afastados, agora são 63 militares dispensados depois das declarações do petista sobre desconfiança de leniência nas invasões das sedes dos Três Poderes por bolsonaristas, no último 8 de janeiro.

Em pronunciamento, Lula afirmou que “muita gente” ligada às Forças Armadas teriam sido “coniventes” com os atos terroristas e que as portas dos prédios foram abertas para os golpistas.

“Agora, por exemplo, eu não tenho ajudante de ordens. Meus ajudantes de ordens são meus companheiros que trabalharam comigo antes. Por que eu não tenho? Eu pego o jornal está o motorista do Heleno dizendo que vai me matar e que eu não vou subir a rampa. O outro diz que vai me dar um tiro na cabeça e que eu não vou subir a rampa. Como é que eu vou ter uma pessoa na porta da minha sala que pode me dar um tiro? Então eu coloquei como meus ajudantes de ordem os companheiros que trabalham comigo desde 2010, todos militares.”, disse o presidente em 12 de janeiro.

No sábado 21, Lula demitiu o comandante do Exército, o general Júlio César Arruda. No lugar dele foi anunciado o general e comandante militar do Sudeste, Tomás Miguel Ribeiro Paiva.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.